TIM e 9 empresas querem melhorar mercado para mulheres

tim
A iniciativa foi anunciada nesta terça-feira (6/7), em coletiva virtual, dando o start em conjunto com companhias líderes de seus segmentos: Accenture, Adidas, Enel, Generali, Microsoft, Oracle, Pirelli, Stellantis e Via. A apresentação foi liderada pelo CEO da TIM no Brasil, Pietro Labriola Foto: Reprodução

A TIM e outras nove megaempresas acabam de abraçar o desafio de ampliar o acesso a mulheres no mercado de trabalho e buscar sua capacitação e desenvolvimento profissional encampando o projeto "Mulheres Positivas".

A iniciativa foi anunciada nesta terça-feira (6/7), dando o start em conjunto com companhias líderes de seus segmentos: Accenture, Adidas, Enel, Generali, Microsoft, Oracle, Pirelli, Stellantis e Via. A apresentação foi liderada pelo CEO da TIM no Brasil, Pietro Labriola, em coletiva virtual.

Aplicativo

Foi apresentado um aplicativo que funcionará como uma plataforma digital de oportunidades de emprego, desenvolvimento profissional e conteúdos para fortalecer o empoderamento feminino.

Por meio do app Mulheres Positivas, criado pela empresária Fabiana Saad, serão divulgadas vagas de trabalho das empresas parceiras, em diversos níveis hierárquicos.

Uma seção dedicada a cursos também foi criada, com conteúdos sobre carreira, negócio, tecnologias, equidade de gênero, inovação, entre outros, cedidos pelas companhias participantes, para apoiar mulheres em seu desenvolvimento pessoal e profissional. Todos os cursos poderão ser acessados de forma gratuita e clientes TIM navegam na plataforma sem consumir seu pacote de dados.

Realidade feminina

A TIM e as demais empresas que aderiram inicialmente ao projeto listam os enormes desafios na realidade feminina no Brasil. Dificuldades no acesso à educação e ao mercado de trabalho, preconceito em processos seletivos, problemas para ser ouvida pelos líderes e colegas, menos oportunidades de crescimento profissional, falta de rede de apoio para conciliar carreira e família, além da disparidade salarial são problemas recorrentes.

“As mulheres estão enfrentando desafios sem precedentes, agravados pela pandemia que evidenciou ainda mais as desigualdades sociais e de gênero. O acesso ao mundo digital e o desenvolvimento de habilidades exigidas por ele se tornaram uma urgência para aquelas que querem e precisam se inserir no mercado de trabalho. É o momento de unirmos esforços e promover iniciativas concretas de inclusão e transformação social. A TIM sempre esteve à frente dos movimentos do setor e, agora, amplia seu poder de mobilização ao juntar grandes companhias em uma iniciativa que pode impactar a vida de inúmeras brasileiras. Estamos orgulhosos de permitir que mais mulheres imaginem as possibilidades,” aponta.

Regionalização

Questionado sobre o apoio a consumidoras da Região Nordeste, Pietro Labriola, afirmou que a evolução do aplicativo também considera a regionalização, contemplando a experiência de clientes mais simples. Observa que com o trabalho remoto, atualmente, é possível disponibilizar oportunidades para áreas do País onde há mais dificuldades. O app tem foco também para o público da classe C.

Sobre a plataforma digital

O projeto conta com um aplicativo que funcionará como uma plataforma digital de oportunidades de emprego, desenvolvimento profissional e conteúdos para fortalecer o empoderamento feminino. Por meio do app Mulheres Positivas, criado pela empresária Fabiana Saad, serão divulgadas vagas de trabalho das empresas parceiras, em diversos níveis hierárquicos.

Uma seção dedicada a cursos também foi criada, com conteúdos sobre carreira, negócio, tecnologias, equidade de gênero, inovação, entre outros, cedidos pelas companhias participantes, para apoiar mulheres em seu desenvolvimento pessoal e profissional. Todos os cursos poderão ser acessados de forma gratuita e clientes TIM navegam na plataforma sem consumir seu pacote de dados.

Custo

A princípio, o acesso ao aplicativo não terá custo para as usuárias e também não irá consumir dados do plano da cliente TIM. De acordo com Pietro Labriola, o serviço deverá ser gratuito até pelo menos o final de 2021. Depois, haveria cobrança.

Iza na campanha

A campanha de lançamento do movimento terá a participação da cantora Iza, que vai atuar como embaixadora da iniciativa. Representantes das demais empresas envolvidas no desafio e de outras áreas, incluindo da saúde, enfatizaram a grandiosidade do desafio que está posto.