Seacec doa 60 capacetes Elmo para fortalecer saúde

img1
Fabiano Barreira, presidente do sindicato, fez questão de enaltecer a relevância da ação

Solidariedade e amor ao próximo, sentimentos que precisam ser disseminados pelos quatro cantos do mundo. Baseado nesses preceitos positivos, o Sindicato das Empresas de Asseio e Conservação do Estado do Ceará (Seacec) encabeçou uma ação humanitária em prol dos enfermos cearenses, intitulada “Capacete Solidário”, resultando na aquisição de 60 capacetes Elmo. O material será repassado às unidades de saúde do Ceará para fortalecer a luta contra a Covid-19.


Representantes da Secretaria Municipal da Saúde de Fortaleza (SMS) e Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa) estiveram na sede do sindicato para receber, das mãos do diretor executivo do Seacec, Edson Arouche, os capacetes angariados pela ação. Vale ressaltar que o encontro reuniu um número mínimo de pessoas, respeitando as normas de distanciamento social impostas pelas autoridades competentes.

A campanha

Os dispositivos foram adquiridos por meio de doações de empresários ligados ao segmento de Asseio e Conservação, responsáveis por empresas de médio e grande porte de Fortaleza e região metropolitana. Juntos, os associados foram responsáveis por 30 capacetes, com outras 30 unidades sendo fornecidas pelo próprio Seacec.

Fabiano Barreira, presidente do sindicato, fez questão de enaltecer a relevância da ação. “Elaboramos a campanha solidária e arrecadamos além do esperado. Quero agradecer aos amigos associados que acreditaram na ideia e fizeram dessa ação um grandioso sucesso. Muitos enfermos cearenses serão salvos da Covid-19 graças à solidariedade do nosso segmento. A alegria por ajudar centenas de famílias é imensurável. O Seacec é isso: união e compromisso”.

Para Edson Arouche, o momento é de fazer um pouco mais, de ir além, de estender a mão e fazer o bem a quem tanto precisa. “O capacete Elmo é uma obra genuinamente cearense e que está ajudando no combate ao vírus. Juntos, podemos ser a diferença na vida de centenas de pacientes, de famílias, e não há dinheiro no mundo que pague a sensação de poder fazer mais pelo próximo. Essa ação do sindicato é fruto de um pensamento coletivo pautado na solidariedade de vários empresários”, detalha Arouche.