Mínimo de R$ 1.100 é aprovado; necessário seriam R$ 5,33 mil

img1
Conforme o Dieese, o salário mínimo necessário é de R$ 5.330,69, para cobrir a necessidade de uma família com 4 pessoas

O salário-mínimo foi fixado no valor de R$ 1.100.  A Câmara aprovou nesta quarta-feira (26) o texto-base da Medida Provisória (MP) prevendo a cifra. Trata-se de um aumento de 5,26% (R$ 55) em relação ao valor do ano passado, de R$ 1.045. A MP ainda passará por análise do Senado. 

Conforme o Dieese, o salário mínimo necessário é de R$ 5.330,69, para cobrir a necessidade de gastos com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência de uma família com 4 pessoas.

Não recompõe perdas

O valor proposto pelo governo para este ano corresponde à variação de 5,22% para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), no período de janeiro a dezembro de 2020. O aumento está longe de recompor perdas, inclusive diante da inflação acelerada.

O INPC apura a inflação mensal das famílias com renda de um a cinco salários-mínimos. Como os preços subiram neste ano, as projeções do governo mudaram. Na proposta de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) havia sido sugerido um mínimo de R$ 1.088.

Inflação

O aumento não contempla a escalada da inflação e da crise econômica gerada pela pandemia. “Sabemos que é importante qualquer reajuste que seja, embora seja indigno no mesmo momento que a inflação está descontrolada, que aumenta o desemprego, que há insegurança alimentar da população, a contrapartida seja um aumento de apenas 5% [no salário]”, disse o deputado Tadeu Alencar.