Produtos e serviços: 76% dos brasileiros reduziram compras

locomotiva
Idas aos supermercados com menos compras. Renda do brasileiro está sendo corroída dia a dia com a inflação elevada e o principal item que saiu do cardápio foi as carnes, excluídas por 64% Foto: Agência Brasil

O processo inflacionário, que em março atingiu cifras recordes desde o Plano Real, vem corroendo o poder de compra da população e mudando os seus hábitos de consumo. Pobres estão cada vez mais sofridos e a classe média vê seu dinheiro derreter.

Ajustes

Para ajustar o orçamento ao dinheiro cada vez mais curto, 76% dos brasileiros diminuíram a compra de produtos e serviços que estavam habituados a consumir e 71% precisaram trocar de marca no último ano, segundo pesquisa feita pelo Instituto Locomotiva.

Alimentos de menor qualidade

Ao todo, 68% dos brasileiros declararam que, no último ano, a qualidade dos alimentos que consomem piorou por causa da inflação. O índice é de 71% nas classes C, D e E e de 52% nas classes A e B. Além do que leva à mesa, a população também realizou cortes nos gastos com energia elétrica (62%), combustível (45%) e roupas (40%).

A partir da análise de 1.950 entrevistas telefônicas, realizadas entre os dias 3 e 7 de março, em 78 cidades pelo Brasil, o levantamento indica que, entre os que reduziram a compra de produtos por causa da inflação, 78% disseram ter economizado com a alimentação em geral. Os principais itens que saíram do cardápio foram as carnes (64%), feijão (36%) e aves/frango (36%).

Situação preocupante

“O brasileiro enfrenta uma situação duríssima: renda estagnada diante da inflação que acelera. Aí não tem jeito. A saída é apertar o cinto para tentar fazer o dinheiro render até o final do mês”, explica Renato Meirelles, presidente do Instituto Locomotiva. “Nesse processo, o consumo prioriza preço e itens essenciais. Não há lugar para o que é considerado supérfluo”.

Universo

A pesquisa do Instituto Locomotiva aponta ainda que 7 em cada 10 brasileiros estão dando maior importância ao preço na hora de comprar produtos e serviços em comparação a um ano atrás. Mas apenas 17% aceitaram abrir mão de qualidade.

O Instituto Locomotiva

Fundado em 2016, o Instituto Locomotiva nasceu para transformar dados em estratégias e ações para que empresas, instituições públicas e organizações do terceiro setor dialoguem com uma população cada vez mais informada e exigente. O instituto desenvolve pesquisas e estudos com variadas metodologias, colocando-se ao lado dos cidadãos e consumidores como porta-voz de suas demandas.