Porto do Pecém: 19 anos e giro médio de 1,54 milhão de t/mês

porto
Terminal portuário cearense foi inaugurado em 28 de março de 2002. Com uma joint venture formada pelo Governo do Estado do Ceará e pelo Porto de Roterdã, na Holanda, o porto vem avançando em movimentação e infraestrutura

O Porto do Pecém completa 19 anos de inauguração neste domingo, 28 de março de 2021. O terminal cearense atinge mais um ano de operação com números significativos, apesar de ser um dos mais novos portos do Brasil.

Apenas nos dois primeiros meses desse ano, mais de 3 milhões de toneladas foram movimentadas pelo Pecém. Assim, a movimentação acumulada de 2021 (3.093.868 t) do terminal portuário cearense ficou 7% acima, em relação ao primeiro bimestre de 2020 (2.879.626 t).

Em crescimento

A média mensal de 2021 chegou a 1.546.934 toneladas, levemente superior a média de 1.508.397 toneladas por mês registrada em 2019 – ano de maior movimentação na história do Porto do Pecém, quando foram movimentadas 18,1 milhões de toneladas. O Porto do Pecém é multimodal, ou seja, movimenta todos os tipos de cargas, principalmente: granéis sólidos, granéis líquidos, carga solta e contêineres.

No ano passado, o terminal cearense bateu recorde na movimentação de contêineres: 377.726 TEU´s (228.362 unidades), crescimento de 11% em relação ao resultado obtido em 2019, quando foram movimentados 339.742 TEU´s (212.863 unidades). Nesse ano, a expectativa é superar a barreira dos 400 mil TEU´s.

Para seguir crescendo, o Porto do Pecém concluiu recentemente as obras da sua segunda expansão. O terminal cearense ganhou um novo portão (gate) de acesso; uma nova ponte (ponte 2) para os píeres; além de novo berço de atracação (berço 10). E em breve, o terminal deve ganhar também novos equipamentos, como um guindaste para o embarque rápido de placas de aço.

Competitividade

Com o menor transit time (tempo de viagem) da América do Sul para Europa e Estados Unidos, por estar localizado na chamada “esquina do Atlântico”, o Pecém possui hoje dez linhas regulares de navegação, sendo três de linhas de longo curso (para outros portos do mundo) e outras sete linhas de cabotagem (para outros portos do Brasil).

“O Pecém está no mapa da logística do Brasil. Somos um porto muito novo, em comparação a outros terminais do país, mas o expressivo crescimento registrado nos últimos anos e a recente sociedade com o Porto de Roterdã faz com tenhamos muito entusiasmo para seguir contribuindo diariamente com o desenvolvimento econômico e social do estado e do país. E mesmo em meio à pandemia, seguiremos operando 24 horas por dia, 7 dias por semana. Nosso trabalho é atividade de caráter essencial e não pode parar”, afirma Danilo Serpa - Presidente do Complexo do Pecém (CIPP S/A).

O Porto do Pecém faz parte do Complexo do Pecém (CIPP S/A), uma joint venture formada pelo Governo do Estado do Ceará e pelo Porto de Roterdã, na Holanda. Também integram o Complexo, uma Área Industrial e a ZPE Ceará, única zona de processamento de exportação em atividade hoje no Brasil.

 

Série histórica do primeiro bimestre nos últimos quatro anos

2021 – 3.093.868 toneladas

2020 – 2.879.626 toneladas

2019 – 2.584.235 toneladas

2018 – 2.564.097 toneladas

 

Série histórica de Movimentação de Contêineres

2016 - 171.067 TEU´s

2017 - 209.623 TEU´s

2018 - 267.217 TEU´s

2019 - 339.742 TEU´s

2020 - 377.726 TEU´s