Geração distribuída: Oi e Faro Energy terão usina no CE

oi
Os novos projetos terão capacidade total de 15 GWh por ano. Além do Ceará, a Oi contará com usinas nos estados do Tocantins, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Pernambuco

A  Oi e a  Faro Energy fecharam acordo para o desenvolvimento de novos projetos de geração distribuída, com a criação de 5 usinas, localizadas nos estados de Ceará, Mato Grosso do Sul, Pernambuco e Tocantins. 

As novas usinas contarão com investimento de R$ 33 milhões por parte da Faro Energy e terão capacidade de geração anual de mais de 15 GWh e deverão entrar em operação em até 5 meses.

Esse montante de energia seria suficiente para atender aproximadamente 8 mil residências. A Oi e a Faro Energy já têm juntas as usinas de Jaíba e Janaúba, em Minas Gerais, já em operação e que juntas somam 10MWp.

Olano ESG

Para a Oi, o projeto atende às diretrizes de sua Política (Plano Plurianual) de ESG, fundamental para o processo de transformação em curso na companhia. 

“A Oi busca e defende o uso racional dos recursos, a eficiência de suas atividades, a qualidade de seus serviços. Esse trabalho envolve não só a companhia como também seus stakeholders, colaboradores, clientes e toda a cadeia de fornecedores para incentivar a mitigação de riscos e impactos ambientais”, diz Daniel Hermeto, VP de Suporte aos Negócios da Oi e Membro do Comitê ESG.

Ele acrescenta que ao aliar eficiência comercial e técnica, a companhia procura entregar o melhor serviço da melhor maneira possível em todas as frentes, incluindo a de sustentabilidade. “Isso traduz a essência da Nova Oi, que cresce em um mercado altamente competitivo sem deixar de ter o olhar para o futuro e para as necessidades da sociedade”, completou. 

A Oi quer ser referência no Brasil em energia renovável, incluindo Geração Distribuída (GD) e Mercado Livre, com 100% de participação da energia limpa na nossa matriz de consumo nos próximos anos”, acrescenta.

Dentro do escopo da parceria, a Faro também será responsável pelo gerenciamento da compensação de créditos de energia das novas usinas da Oi, através do seu software de Gestão de Billing, garantindo confiabilidade e segurança nas informações das usinas da Oi, propiciando otimização e eficiência na gestão das unidades consumidoras trazendo proteção contra aumento dos custos com energia, como aqueles provocados pelas bandeiras tarifárias. 

Com um total de 6,9 megawatt-pico (MWp) de potência, as usinas devem evitar o lançamento de cerca de 5 mil toneladas de CO² na atmosfera por ano, equivalente à emissão de CO² de mais de 2,1 mil carros e correspondente ao plantio anual de 30 mil árvores.

Objetivos

Para a VP de Compliance, Governança e Sustentabilidade e membro do Comitê ESG da Oi,  Renata Bertele,  o projeto fortalece o alcance dos objetivos estratégicos da companhia no mercado brasileiro.  “Não nos posicionamos como quem já fez ou faz tudo o que pode, mas como quem não se contenta com o que já é feito e acredita que sempre há possibilidade de melhorar. Queremos cada vez mais robustez em nossas práticas”, afirma a executiva.