Gasolina e diesel sobem pela 5ª e 4ª vez no ano nesta terça-feira (2)

gasolinan
Com os novos reajustes, o litro da gasolina nas refinarias acumula alta de 41,3% desde o início do ano. Já o diesel subiu 34,16% no mesmo período Fotomontagem: Regina Carvalho

Os donos de veículos sofrem mais um abalo no bolso. A Petrobras vai elevar outra vez os preços da gasolina e do diesel nas refinarias a partir desta terça-feira (2). É a quinta alta do ano nos preços da gasolina (4,8%), e a quarta no valor do litro do diesel, que sobe 5% desta vez.

Aos poucos, o litro da gasolina, a que mais tem subido, caminha para impensáveis R$ 6,00. Além disso, já há lugres em que as bombas praticam o valor da paridade: um dólar = um litro de gasolina.

Com os novos reajustes, o litro da gasolina nas refinarias acumula alta de 41,3% desde o início do ano. Já o diesel subiu 34,16% no mesmo período. A aceleração nos preços inflama os valores cobrados em outros produtos no País, já que a economia se movimenta através dos combustíveis, por meio dos fretes.

O preço médio de venda da gasolina passará a ser de R$ 2,60 por litro, alta de R$ 0,12 por litro, enquanto o diesel passará a média de R$ 2,71 por litro, aumento de R$ 0,13 por litro.

As altas seguidas nos combustíveis apenam principalmente os donos de veículos movidos a gasolina/etanol, que já enfrentam preço mais elevado que o diesel. O quadro também poupa do maior impacto para os caminhoneiros, que ameaçam greve e fazem o Planalto refém.

O brasileiro já enfrenta altas recordes em preços de produtos básicos e agora sente os efeitos diretos dos combustíveis atrelados ao dólar, enquanto os salários estão em real cada vez mais desvalorizado.

Lucro recorde

Mas, a petrolífera terminou o quarto trimestre de 2020 com lucro recorde de R$ 7 bilhões, apesar do momento de crise. O desempenho traz um recorde nominal entre as empresas brasileiras como também quando se ajusta os valores dos maiores lucros da história pela inflação.

Intervenção política

A nova alta vem pouco mais de uma semana após o presidente Jair Bolsonaro pedir a substituição do presidente da estatal. A medida só agravou a situação e a política da Petrobras continua a mesma, atrelada ao dólar e gerando inflação no Brasil.

A troca no comando da Petrobras, que só deve ocorrer no dia 20 de março, provocou um forte forte abalo nas ações da companhia, que chegou a perder R$ 75 bilhões em valor de mercado em um só dia.