Australiana investe US$ 5,4 bi em hidrogênio verde no Ceará

hidrogenio
O chamado hub do Hidrogênio Verde mira a possibilidade de o Estado se tornar um fornecedor global desse tipo de combustível, contribuindo para a redução dos níveis de CO2 Foto: Freepik

A australiana Enegix Energy, através de seu CEO, Wesley Cooke, assinou memorando de entendimento que prevê um investimento de US$ 5,4 bilhões de dólares na geração de hidrogênio verde no Ceará.

O negócio, que de acordo com o governador Camilo Santana, é melhor que uma refinaria, considerando o volume do aporte e a sustentabilidade ambiental, inclui ainda na parceria a Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), Universidade Federal do Ceará (UFC) e Complexo do Pecém (CIPP S/A).

O chamado hub do Hidrogênio Verde mira a possibilidade de o Estado se tornar um fornecedor global desse tipo de combustível, contribuindo para a redução dos níveis de CO2. 

“Esse é um grande projeto que irá gerar milhares de empregos em sua construção, e centenas após o início da operação, ajudando a melhorar a vida de muitos cearenses. Estamos muito felizes em fazer parte desse projeto em parceria com o Ceará”, disse.

Foram assinados três documentos para iniciar a viabilização do negócio: um memorando de entendimento entre secretarias de Estado, Complexo do Pecém (CIPP S/A), Fiec e UFC; um Decreto que institui um Grupo de Trabalho que reunirá representantes de todas as instituições que vão colaborar para fortalecer a cadeia do hidrogênio verde no Ceará; e um memorando de entendimento com a empresa australiana Enegix Energy, que pretende instalar uma usina para produzir H2V no Complexo do Pecém.

Menos poluentes

A ideia é buscar reduzir a emissão de poluentes com novos investimentos e ampliar as oportunidades de negócios e geração de empregos no Ceará, para assim impulsionar a economia do Estado. O hidrogênio verde (H2V) é produzido através de fontes renováveis e é atualmente considerado o pilar da transformação energética mundial por poder ser obtido através da eletrólise da água, uma fonte livre de carbono

“Todo o mundo caminha para a utilização de energia limpa e o Ceará está na vanguarda que vai mudar a realidade socioeconômica, pois temos todas as condições favoráveis para produzir e exportar o hidrogênio verde”, afirmou Camilo Santana.

O presidente da Fiec, Ricardo Cavalcante, ressaltou a importância desse momento para a economia do Ceará. “Desde 2013 se vem discutindo o uso de combustíveis limpos. Vai mudar toda a base industrial. E o Ceará, com toda essa capacidade de produzir hidrogênio verde, vai se tornar um grande fornecedor mundial”.

O reitor da UFC, Cândido Albuquerque, agradeceu ao governador pela oportunidade em participar e apoiar essa transformação no Ceará. “Nosso papel é esse: apoiar pesquisas e projetos como esse, que representa a eliminação do CO2. Merece aplausos essa iniciativa inédita”.

Apoio holandês

O vice-presidente do Porto de Roderdã, René Van Der Plas, também participou por videoconferência direto da Holanda. “O Ceará já é muito forte na geração de energia eólica e solar, e temos a infraestrutura necessária para a produção de hidrogênio verde e a exportação em grande quantidade. Essa assinatura mostra o comprometimento de todos os setores do Estado para a redução da emissão de poluentes”.

Para o secretário do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet), Maia Junior, “é um projeto de futuro. Hoje damos um pontapé importante para colhermos os frutos lá na frente. Um projeto que pela primeira vez une Governo, Academia e setor produtivo. Importante ressaltar que iremos mudar a realidade dos cearenses com novas oportunidades de emprego e renda com a criação desse Hub”.

Enegix Energy

A Enegix foi estabelecida com a visão de implantar e gerenciar redes de energia em escala de utilidade, alimentadas de forma renovável, por hidrogênio, considerado componente-chave usado para armazenamento e distribuição de eletricidade, transporte, aplicações de combustível e usinas de reeletrificação para impulsionar uso de energia limpa pelos principais mercados.

A empresa tem como missão facilitar a mudança das sociedades através do hidrogênio, permitindo energia renovável e estável e conectividade da infraestrutura central com serviços públicos e comunidade. Sua visão é ser o líder global em geração de energia verde, identificando e garantindo fontes de energias renováveis de grande escala e econômicas, usando tecnologias de transporte de hidrogênio eficientes e comprovadas, e fornecendo energia elétrica e combustível sem carbono para governos e projetos.

Rota de exportação

Vale destacar o grande potencial produtor de energias renováveis do Ceará, a localização geográfica e estratégica, assim como a capacidade logística e consumidora de Hidrogênio Verde do Complexo do Pecém. A infraestrutura e as parcerias internacionais facilitarão também a exportação, contribuindo, assim, para que o Ceará desponte como o primeiro HUB de Hidrogênio Verde do Brasil e da América Latina. A exportação de H2V através do Porto do Pecém será a mais curta entre a América do Sul e a Europa e, consequentemente, a de menor custo.

“O Hidrogênio Verde produzido no Complexo do Pecém será fornecido para todo o mundo, atendendo às mais diversas empresas em seus respectivos segmentos. Esse tipo de combustível será, com certeza, a energia das próximas gerações. Além disso, será importante para as empresas instaladas no Complexo do Pecém, pois ganharão novas possibilidades com essa nova fonte de energia limpa”, enfatiza Danilo Serpa, CEO do Complexo do Pecém (CIPP S/A).

Impacto

De acordo com as projeções internacionais, em 2050, o Hidrogênio representará 18% de toda a energia consumida mundialmente, reduzindo anualmente 6 Gt de emissões de CO2 e eliminando os principais poluentes do ar como o dióxido de enxofre (SO2), óxidos de nitrogênio (Nox) e materiais particulados, reduzindo também o nível de ruído nas cidades.

O setor de transporte irá consumir 20 milhões a menos de barris de petróleo por dia, aumentando significativamente a segurança energética dos países, e o crescimento econômico será baseado em um Desenvolvimento Sustentável, gerando uma receita de mais de $2,5 trilhões por ano e empregando mais de 30 milhões de pessoas mundialmente.