Com restrições às atividades, Abrasel rechaça novo decreto

mesas
A Covid19 está novamente em escalada com mais força no Ceará e o governo adotou restrições impactando os setores de atividades. Bares e restaurantes são mais afetados Foto: Freepik

Restrições à circulação diante da Covid19 determinadas pelo Governo do Estado. De 3 a 17 de fevereiro, as atividades econômicas em Fortaleza observarão as seguintes medidas:

Como fica

De segunda a domingo, das 20h às 6h do dia seguinte, fica suspenso o funcionamento de quaisquer atividades do comércio, indústria ou serviços não essenciais. Essas atividades poderão atender, nesse período, através de delivery. E podem funcionar normalmente,  após às 20h, as farmácias, supermercados, serviços de saúde e outros serviços essenciais;

Sábados e domingos o atendimento presencial em restaurantes, barracas e demais estabelecimentos para alimentação fora do lar somente poderão funcionar para almoço, até 15h. Podendo atender por delivery a partir desse horário.

Reação

Diante disso, o setor de Alimentação Fora do Lar, mais afetado, rechaçao anúncio feito pelo Governo do Estado nesta terça-feira (02). Segundo a entidade, a decisão que pegou totalmente de surpresa os milhares de empregadores, afetando, inclusive, os empregados e suas famílias. 

"A Abrasel considera esta medida um retorno à fase mais severa do lockdown, uma vez que o funcionamento até às 20 horas inviabiliza o serviço noturno dos estabelecimentos", diz a entidade.

A nota afirma ainda que "por ineficiência do Estado em criar medidas preventivas, em fiscalizar setores que descumprem as orientações sanitárias, o Governo lança a conta para o trabalhador pagar sozinho, sem nenhuma contrapartida que garanta a sobrevivência das empresas e empregos". 

A Abrasel apresentou há quase cinco meses, sem resposta até o momento, pedido por meio judicial, para que seja apresentado plano de retomada com critérios específicos para cada fase de reabertura. Ao contrário disso, recebe mais uma vez um anúncio que, além de não estar se monstrando efetivo para a saúde pública até o momento, ainda resultará na morte de mais empresas.