Setor de material de construção tem vendas aquecidas

img1
Reparos em casa e home office contribuíram  com a melhora neste mercado, segundo a Associação do Comércio de Material de Construção (Acomac-CE)

O mercado da construção com pequenos reparos aqueceu no mês de julho. O segmento vem registrando um maior volume de demanda a partir de residências, clubes, barracas de praia e pousadas.  Alguns órgãos públicos também têm aproveitado para fazer reparos e reformas essenciais para melhorar as condições de atendimento, como escolas, praças, secretarias e hospitais.

As reformas em casa e  o "faça você mesmo" fizeram produtos como tintas, pias, lâmpadas e ferramentas  aparecerem entre os itens mais procurados”, ressalta Lavanery Campos Wanderley, presidente da Associação de Comerciantes de Materiais de Construção do Ceará (Acomac/CE).

As expectativas para o segundo semestre são positivas. Alguns lojistas e atacadistas  afirmam que mesmo com as dificuldades  de obtenção de matérias-primas no mercado nacional e internacional, ainda estão atendendo a grande parte da demanda que chega às indústrias que fabricam esses materiais . 

O comércio foi um dos setores mais afetados pela pandemia do novo coronavírus ( covid-19) , porém, quando analisada apenas a construção civil,  a situação é melhor, inclusive, para os consumidores.

Desempenho melhor

A demanda no varejo e atacado de materiais de construção do Ceará, neste mês de julho, tende a ser maior que no mesmo período do ano passado.  De acordo com Lavanery Campos Wanderley, o aumento se deu também pela adoção do 'home office'.

“Muitas empresas adotaram esse modelo e os trabalhadores/profissionais querem investir em um ambiente mais apropriado para o trabalho, assim como também no caso das escolas que  oferecem a opção de  EAD ( aulas pela Internet ) e assim  também se faz necessário local  de estudo para as crianças e adolescentes”, enfatiza.