Escalada: mercado financeiro projeta inflação em 8,99%

infla
Esta é a 29ª elevação consecutiva da projeção da pressão sobre os preços no Brasil

A escalada continua e a previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada a inflação oficial do País, subiu de 8,69% para 8,96% neste ano, beirando os 9%.

Trata-se da 29ª elevação consecutiva da projeção. A estimativa está no Boletim Focus de hoje (25/10), pesquisa divulgada semanalmente pelo Banco Central (BC), com a projeção para os principais indicadores econômicos.

Acima da meta

A previsão para 2021 está acima da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,75% para este ano, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,25% e o superior de 5,25%. Para 2022 e 2023 as metas são 3,5% e 3,25%, respectivamente, com o mesmo intervalo de tolerância.

PIB abaixo de 5%

Após diminuir a previsão para o crescimento econômico do País na semana passada, os especialistas ouvidos pelo BC diminuíram o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro novamente nesta semana. Com isso, no relatório desta segunda (25), a projeção para o PIB do Brasil em 2021 ficou abaixo dos 5% pela primeira vez.

Juros em alta

Em setembro, o IPCA divulgado pelo IBGE apontou para 10,25% de inflação acumulada em 12 meses. No ano, o indicador soma 6,90%, contando os nove meses de 2021. A expectativa dos especialistas é de que, no encontro do Copom desta semana, o comitê eleve os juros mais de 1 p.p., em uma medida mais agressiva contra o IPCA.

Nesse sentido, o mercado também elevou a projeção da taxa Selic, que se manteve neutra por mais de um mês no Boletim Focus. A nova expectativa para a taxa básica de juros da economia ao final de 2021 é de 8,75% frente aos 8,25% anteriores.