2020: Fortaleza é 3ª do País em investimentos e supera R$ 1 bi

pferreira
Dentre os estados nordestinos, Fortaleza foi a líder em investimentos municipais no ano passado, mesmo com a crise sanitária

As capitais Fortaleza (CE), Salvador (BA), São Luís (MA) e Recife (PE) ocupam as primeiras posições no ranking dos maiores investimentos em obras públicas e melhorias registrados na região Nordeste em 2020.

No País, Fortaleza aparece como terceira do ranking, atrás de São Paulo (R$ 4,48 bilhões) e de Manaus (R$ 1,23 bilhão).

O maior investimento do Nordeste, em valores, foi registrado em Fortaleza (CE), que atingiu a cifra de R$ 1 bilhão despendidos em melhorias para o município.

Em Salvador (BA), o investimento foi de R$ 792,42 milhões; em São Luís (MA), o valor investido foi R$ 458,29 milhões; e em Recife (PE), o investimento totalizou R$ 448,10 milhões.

Nas demais capitais nordestinas, Teresina (PI), investiu R$ 226,09 milhões; Aracaju (SE) investiu R$ 184,95 milhões em 2020; Maceió (AL), totalizou R$ 117,03 milhões; Natal (RN), investiu R$ 110,34 milhões; e João Pessoa (PB), registrou montante de R$ 106,74 milhões.

Os dados são do anuário Multi Cidades – Finanças dos Municípios do Brasil, iniciativa da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP) com patrocínio da Huawei e da Tecno It, que ranqueou 100 cidades da região. Outros municípios do Nordeste que figuram no ranking dos maiores investimentos do Nordeste são Camaçari (BA), com montante de R$ 248,05 milhões; Caucaia (CE), com R$ 210,83 milhões; Feira de Santana (BA), com R$ 141,15 milhões; e Barreiras (BA), com R$ 123,52 milhões.

Crise sanitária

Mesmo diante da crise sanitária e econômica causada pela pandemia, os investimentos dos municípios brasileiros cresceram em 2020: foram R$ 65,67 bilhões direcionados à infraestrutura nas cidades, valor 33,7% maior do que o registrado no ano anterior, já considerando a correção pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Com isso, o total investido representou, em 2020, 9,1% do conjunto de suas despesas – o mais elevado percentual dos últimos seis anos. De acordo com Tânia Villela, economista e editora do anuário Multi Cidades – Finanças dos Municípios do Brasil, o desempenho positivo dos investimentos em 2020 pode ser creditado, principalmente, a três fatores.

“O ano de 2020 foi o último de mandato nas prefeituras, fase na qual normalmente há uma expansão das aplicações. Também houve crescimento nas três principais fontes de recursos que são destinadas aos investimentos, que são os recursos próprios, as transferências de capital recebidas da União e dos estados e as receitas de operações de créditos”, esclareceu.

Além disso, a economista acrescenta os apoios financeiros recebidos pelas administrações municipais para o enfrentamento à pandemia em 2020. “A maior parte dos valores repassados era de livre aplicação”, pontuou Tânia.