Vendas de imóveis em Fortaleza saltam 94% e somam R$ 1,09 bi

flash
Até o mês de maio foram comercializadas 923 unidades, 132% acima do mesmo período de 2020.  O valor geral de vendas (VGV) chega a R$ 644 milhões, 117% superior a igual período do ano passado

O mercado imobiliário de Fortaleza e Região Metropolitana experimenta no acumulado dos primeiros cinco meses deste ano uma concreta expansão nas vendas com um crescimento de 94% e a comercialização de 3.360 unidades em relação a igual período de 2020.

Em Valor Geral de Vendas (VGV) o crescimento é de 105%, registrando R$ 1,09, bilhão. Os números incluem imóveis de todas as categorias, incluindo o Minha Casa Verde Amarela.

Somente em maio, pós-isolamento rígido, houve nova reação no setor com avanço de 87% nas vendas ante maio do ano passado e 688 unidades comercializadas, o equivalente a R$ 224 milhões de VGV.

Os números são do Flash Imobiliário produzido pela Lopes Immobilis, do empresário Ricardo Bezerra. 

Minha Casa

O segmento Minha Casa Verde e Amarela puxou em volume de vendas. Ao todo foram 2.084 unidades vendidas (62% de participação), seguido pelo residencial vertical com 923 unidades, comerciais com 157 unidades, 2ª Moradia com 122 unidades e por fim, os residenciais horizontais com 74 unidades comercializadas.

Residenciais verticais

Até o mês de maio foram comercializadas 923 unidades, 132% acima do mesmo período de 2020.  O valor geral de vendas (VGV) chega a R$ 644 milhões, 117% superior a igual período do ano passado.

Velocidade de vendas

A velocidade de vendas no mês de maio foi de 5,30% e vem em recuperação. O melhor nível de vendas sobre a oferta aconteceu em dezembro de 2020, atingindo 8,42%. O menor foi verificado em junho de 2020, pós-primeiro isolamento rígido no Estado.

Redução nos descontos

Com maior número de lançamentos chegando ao mercado e mais vendas caiu o percentual de descontos ao consumidor. Em 2020, os descontos chegaram ao patamar de até 35%. A média atual é de 7,61%, quase 80% de queda. Quando analisados os últimos 9 meses, o desconto é médio cai para 2,59%. Para o setor, ocorre agora um equilíbrio entre demanda e oferta.