Gasolina acumula alta de 51% no ano e sobe mais 3,34%

gasolina
A disparada de preços repercute nada menos que oito aumentos, de janeiro até agosto e acaba sendo repassada a outros produtos alimentando a ciranda inflacionária

Se deparar com alta de preços virou a dor de cabeça mais frequente do consumidor. No caso dos proprietários de veículos, não há trégua e novamente, nesta quinta-feira (12/08), mais uma alta da gasolina vai ampliar o peso no bolso.

Somente em 2021, a gasolina acumula alta de 51%. A disparada de preços repercute nada menos que oito aumentos, de janeiro até agosto.

Vem mais

A Petrobras anunciou nesta quarta-feira, 11/08, mais um reajuste do preço da gasolina. Segundo a estatal, o litro do combustível vai subir de R$ 2,69 para R$ 2,78 nas refinarias, refletindo reajuste médio de R$ 0,09 ou 3,34% por litro. 

A Petrobras afirma o preço praticado pela estatal corresponde a cerca de um terço do preço nas bombas. O repasse da elevação ao consumidor final, em geral, é integral.

Preços no Ceará

No Ceará, o preço do combustível já está estratosférico. Chega a atingir R$ 6,620 para o litro da gasolina comum, em Crateús, o maior do Estado, de acordo com a última pesquisa da Agência Nacional de Petróleo (ANP), referente ao período de 1º a 7 de agosto. Em Fortaleza, o menor valor encontrado para o litro é de R$ 5,490, enquanto o maior praticado na Capital cearense atinge exorbitantes R$ 6,190.

Justificativa

A Petrobras justifica que a contribuição do preço da estatal para o preço na bomba passará a ser de R$ 2,03 por litro em média, referente à mistura obrigatória de 73% de gasolina A e 27% de etanol anidro.

Além disso, há os tributos federais e estaduais em elevado patamar e nenhum dos segmentos quer abrir mão de uma fatia, Incidem também custos para aquisição e mistura obrigatória de etanol anidro, bem como custos e margens de distribuidores e revendedores.