Lixo no mar: Família Schurmann lança "Voz dos Oceanos"

expedicao
A Família Schurmann quer dar aos oceanos, que sofrem com o lixo, o mesmo protagonismo no alerta contra a devastação ambiental das florestas. O grupo parte em expedição mundial para buscar reverter a problemática Foto: Divulgação

Mais de 8 milhões de toneladas de plástico acabam nos oceanos todos os anos. O custo ambiental atinge US$ 8 bilhões anualmente. Se nada for feito, esse volume pode chegar a 20 milhões de toneladas por ano até 2040.

Até 2050 podemos ter mais lixo que peixes nos oceanos. Cerca de 80% destes detritos são oriundos de terra. A maioria consiste em garrafas e embalagens plásticas, que os humanos lançam no litoral ou ao mar. Os dados são de estudo maciço da Agência Australiana de Ciência.

Desafio 

Agora inicia-se uma expedição com o enorme desafio de buscar mudar essa realidade. Foi apresentada nesta sexta-feira (27), a Voz dos Oceanos (Voice of the oceans), em coletiva de imprensa. Reunir a população e empresas para achar e efetivamente aplicar soluções é uma jornada complexa. 

Capitaneada pela Família Schurmann e tripulação do veleiro Kat, a empreitada tem o intuito de conscientizar a população mundial a respeito do lixo plástico nos oceanos. Patrocinam a expedição  Kaiak (Natura), Corona (Ambev), Faber-Castell e Sabesp

Convocação

Convocando a população de todos os portos do mundo para entrarem a bordo da iniciativa, o grande objetivo é buscar dar visibilidade a soluções que estão sendo desenvolvidas, no País e no exterior, para combater o grave problema. 

Com o apoio global do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), a expedição parte de Balneário Camboriú, Santa Catarina, neste domingo (29) e passará por 60 pontos do Planeta ao longo de dois anos.

Rotas

A etapa brasileira inicia em Balneário Camboriú, Santa Catarina, e terá 11 destinos: Santos/SP, Ilhabela/SP, Ubatuba/SP, Paraty/RJ, Rio de Janeiro/RJ, Búzios/RJ, Vitória/ES, Abrolhos/BA, Salvador/BA, Recife/PE e Fernando de Noronha/PE, entre setembro e novembro deste ano.

Na sequência, a expedição se dirigirá para o Caribe, costa atlântica dos Estados Unidos, arquipélago das Bermudas, voltando para o Caribe, México, cruzando o canal do Panamá, navegando até Galápagos, seguindo pelo Oceano Pacífico Sul até a Polinésia e terminando na Nova Zelândia.

Movimento coletivo

Nesta jornada, a Família Schurmann envolverá cientistas, educadores, ambientalistas, empreendedores, executivos de grandes empresas, influenciadores, formadores de opinião, ONGs, gestores públicos e sociedade civil com propostas para reverter o cenário de destruição dos mares e envolvendo ações de empreendedorismo e educação. 

“Voz dos Oceanos vai além da nossa família. Esse é um movimento coletivo em prol dos nossos oceanos, nosso planeta e nossa vida. Todos podem ser essa voz. E assim como os oceanos, nosso movimento também não tem fronteiras. É uma iniciativa do Brasil para o mundo”, destaca David Schurmann.

“A Família Schurmann foi, desde o início, uma parceira fundamental da campanha Mares Limpos. Além de testemunhar e registrar, em primeira mão, a condição dos ecossistemas marinhos e costeiros, a expedição Voz dos Oceanos é também uma grande oportunidade para mapearmos soluções que já estão em curso”, afirma Regina Cavini, Representante adjunta do Programa das Nações Unidos para o Meio Ambiente.

Mares Limpos

“Em todo o mundo, 63 países já se comprometeram com a Mares Limpos, o que representa 60% da área litorânea do planeta, e estão revendo suas legislações para banir plásticos descartáveis. Mais de mil organizações se uniram por uma economia circular para o plástico. Juntos e juntas podemos reverter essa maré”, complementa.

Números que revelam o tamanho do problema

- Em 2018, a produção mundial foi de 280 milhões de toneladas de material plástico. Um terço dessa produção é de itens de uso único, como sacolas, canudos ou copos.
- Segundo o Banco Mundial, o Brasil é o 4o maior produtor de lixo plástico no mundo, com 11,3 milhões de toneladas, atrás apenas dos Estados Unidos, China e Índia.
- O Brasil recicla menos de 2% do lixo plástico coletado. Esse é um dos menores índices da pesquisa e bem abaixo da média global de reciclagem plástica, que é de 9%.
- O custo estimado do lixo marinho varia de € 259 a € 695 milhões, principalmente para o setor do turismo e da pesca.
- A reciclagem de 1 milhão de toneladas de plástico equivale a retirar 1 milhão de carros das estradas (CO2).