Eólica offshore é regulamentada e Ceará possui 6 projetos

eolica
O Ceará, sozinho, numa faixa marítima até 45 km da costa avaliada pelo Atlas Eólico e Solar do Estado, conta com 117 GW de potência, em profundidade de até 50 metros, sendo o maior potencial entre 20 e 30 metros

O decreto que regulamenta a construção e a operação dos projetos de geração de energia eólica “offshore” (dentro do mar) foi sancionado o que gera novas perspectivas de expansão para o setor. O Ceará já conta com seis projetos na área.

Na avaliação do Sindicato das Indústrias de Energia e de Serviços do Setor Elétrico do Estado do Ceará (Sindienergia-CE) o decreto atende a uma grande demanda do setor e está em consonância com a evolução da matriz energética brasileira, que caminha em direção às fontes de energia renováveis e abundantes.

Proenergia

O Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, havia assumido o compromisso com o setor de energia de regulamentar a atividade ainda em outubro do ano passado, ao vir ao Ceará para o evento Proenergia 2021, promovido pelo Sindienergia, em parceria com a FIEC e Sebrae.

O diretor de Geração Centralizada do Sindienergia-CE, Luiz Eduardo Moraes, destaca o gigantesco potencial brasileiro e cearense de geração de energia eólica offshore. "O Ceará, sozinho, numa faixa marítima até 45 km da costa avaliada pelo Atlas Eólico e Solar do Estado, conta com 117 GW de potência, em profundidade de até 50 metros, sendo o maior potencial entre 20 e 30 metros, excepcional para uma eólica offshore. A grandeza deste dado pode ser medida com o atual volume implantado de energia eólica em todo o Estado, que é algo em torno de 2,5 GW", explica.

Moraes complementa citando os potenciais de cerca de 370 GW do Nordeste e os cerca de 620 GW do Brasil, o que ganha ainda maior fôlego com o HUB de Hidrogênio Verde em formação no Ceará, já com 14 protocolos assinados e outros cinco em negociação.

“É muita energia. Aqui, a gente vai ter essa condição do HUB e vai precisar de energia, é fato. Além disso, não tem como as metas de carbono zero serem atingidas no mundo sem a ajuda da energia eólica offshore", completa.

Seis projetos

O diretor de Geração Centralizada do Sindienergia-CE reforça que já existem seis projetos de energia eólica offshore no Ceará em licenciamento no IBAMA (que, juntos, representam 11.492 MW): Camocim (1.200 MW), Asa Branca (400 MW), Jangada (3.000 MW), Caucaia (576 MW), Dragão do Mar (1.216 MW), Alpha Winf (5.100 MW). “A nossa estimativa de investimento para o Ceará, nesse caso, seria: considerando que dos cerca de 11,5 GW de projetos em análise no IBAMA tenhamos 5,0 GW implantados, a um valor de US$2,0 bilhões/GW, isso significa um investimento de US$10 bilhões, num horizonte de aproximadamente 8 anos”, finaliza.