CE recebe mais dois cabos submarinos até 2022 e completa 18

img1
A estação de ancoragem de cabos submarinos de fibra óptica da empresa portuguesa EllaLink, localizada na Praia do Futuro, foi apresentada pelo diretor da companhia no Brasil, Rafael Lozano, ao governador do Ceará, Camilo Santana. A maior quantidade de data centers do Norte e Nordeste brasileiro está na Capital cearense

Com 16 cabos submarinos de fibra óptica em operação, Fortaleza conecta cada vez mais o Brasil com o mundo . A estação de ancoragem de cabos submarinos de fibra óptica da empresa portuguesa EllaLink, localizada na Praia do Futuro, em Fortaleza. foi apresentada pelo diretor da EllaLink no Brasil, Rafael Lozano, ao governador do Ceará, Camilo Santana e comitiva, na sexta-feira (17). O cabo submarino da EllaLink é o 16º ancorado no Ceará e o primeiro de alta capacidade que conecta diretamente o Brasil, a partir de Fortaleza, e Europa, com ponto em Sines, Portugal. 

O cabo está em operação comercial desde junho de 2021. Essa nova conexão beneficia negócios digitais, serviços em nuvem, bancos eletrônicos, jogos online e mídia de entretenimento entre América do Sul e Europa.Na visita, o governador conheceu toda a infraestrutura tecnológica de suporte da EllaLink para monitorar o tráfego de dados. 

São 6 mil km de cabo, investimento de R$ 1 bilhão que a empresa fez no Estado. "O Ceará hoje já é, juntamente com Rio de Janeiro e São Paulo, um dos três pontos com maior conectividade do País. E nós somos o segundo maior ponto do Planeta em termos de recebimento de cabos de fibra óptica submarinos”, afirmou Camilo Santana, anunciando que mais dois cabos estão previstos até 2022, totalizando 18 cabos. 

Operação e 5G

Rafael Lozano, diretor da Ellalink no Brasil, explicou que o cabo, que tem consistência semelhante ao fio de cabelo humano e opera com capacidade de 100 terabits por segundo, diminui em até 50% o tempo de resposta na transmissão de dados, entre os continentes, em relação à conexão via Estados Unidos.“Estamos muito felizes em conectar o Brasil com a Europa, sem depender dos Estados Unidos, juntando duas culturas tão fortes como a portuguesa e brasileira. Conectando, além disso, a América Latina, com seus hispanofalantes, com a Espanha. Neste momento muito crítico nas comunicações mundiais, essa nova rodovia digital vai permitir às instituições científicas, que ajudam a desenvolver coisas tão reais como uma vacina, melhorar a comunicação, ajudando no futuro e desenvolver esses dois continentes, sobretudo a América Latina e Brasil. A gente vai melhorar e ajudar que o 5G seja uma realidade”, destacou o diretor. Hub Tecnológico.

Data centers

Segundo Camilo Santana, o Ceará tem potencial para ser não somente um local de ancoragem para os cabos, mas tornar-se um centro de tecnologia e inovação. “A gente tem incentivado e estimulado para que as empresas de data centers e grandes players mundiais se instalem no Ceará, e saiam dessa concentração que existe no Sudeste brasileiro. Nós estamos defendendo isso. Com a Angola Cables, inauguramos aquele grande data center. Esse data center que visitamos hoje é um dos maiores do Brasil, que recebe cinco cabos com esse da EllaLink. A maior quantidade de data centers do Norte e Nordeste brasileiro está em Fortaleza, no Ceará”. 

Para Maia Júnior, secretário de Desenvolvimento, essa maior capacidade de armazenamento e transferência de dados oportunizada pelo cabo EllaLink alia-se a outras iniciativas para transformar o Ceará em hub tecnológico. “Hoje temos uma condição privilegiada para dar prosseguimento à estruturação do hub tecnológico que o governador lançou, não só com a vinda da Amazon, como a de outros parceiros. No nordeste do Brasil não tem uma infraestrutura como essa que o governador, junto com a EllaLink, está presenteando a nós cearenses. É colocar o Ceará na nova onda da conectividade. São facilidades que também ajudarão a atrair outras empresas”.