IEE: prepondera o pessimismo com a conjuntura econômica

economia
Os índices refletem os desafios macroeconômicos enfrentados no País e o grau de incerteza vivida Foto: Freepik

O Índice de Expectativas dos Especialistas em Economia, que traz o retrato da opinião de 99 analistas cearenses, permanece cravado no pessimismo, no primeiro bimestre de 2022. O indicador é produzido pelo IPDC/Fecomércio e Corecon-CE.

Preocupações

Seis variáveis foram apontadas com pessimismo: oferta de crédito (93,7 pontos); taxa de inflação (61,1 pontos); taxa de câmbio (46,8pontos); salários reais (37,3 pontos); gastos públicos (33,3 pontos) e taxa de juros (27,8 pontos). 

Só aparecem com expectativas "otimistas" neste levantamento o Nível de emprego (117,5 pontos); Cenário internacional (114,3) e Evolução do PIB (111,1).

Conjuntura refletida

Os índices refletem os desafios macroeconômicos do País e o grau de incerteza vivida, aponta o estudo. Os índices de percepção geral (71,4 pontos), percepção presente (63,1 pontos) e percepção futura (79,7 pontos) apresentaram leve redução no pessimismo, mas ele continua preponderante. A análise da pesquisa é do professor e economista, Ricardo Eleutério Rocha. 

Pontuação

A pesquisa pontua de zero a 200 pontos as variáveis analisadas. Abaixo de 100 pontos configura-se uma situação de pessimismo e acima desse número, otimismo.