Economia do Ceará cresce 1,68% em agosto; 4,26% no ano

fabrica
Em meio a todas as dificuldades, os estados nordestinos ainda apresentam expansão no indicador dessazonalizado, enquanto o País registrou retração em agosto

A atividade econômica do Ceará foi na contramão do País e do Nordeste em agosto e apresentou crescimento de 0,74%. No País, a queda foi de 0,15% e na Região a retração foi menor, de 0,04%. Os dados são do Banco central - IBC-Br e IBC-R - dessazonalizado (ajustados para o período), que sinaliza a tendência do PIB.

Considerando o indicador observado, sem ajuste para o período, já que a comparação é entre meses iguais, a economia cearense cresceu 1,68% em agosto, frente a julho. No ano, anota 4,26% de expansão e em 12 meses, 3,13%.

Destaques no Nordeste

Em igual comparação, a Bahia cresceu 4,10% no mês; no ano, 3,14% e 1,87% em 3,14%. Pernambuco, por sua vez anotou crescimento de 4,26% no mês; destaca-se no ano, com avanço de 6,51%, e 5,09%, em 12 meses.

Brasil

Já a atividade econômica brasileira teve variação negativa em agosto deste ano. O IBC-Br apresentou queda de 0,15% em agosto de 2021 em relação ao mês anterior, de acordo com os dados dessazonalizados , chegando a 139,23 pontos.

Na comparação com agosto de 2020, houve crescimento de 4,74%. No ano, foi registrada alta de 6,41%. Em 12 meses encerrados em agosto, o indicador também ficou positivo, em 3,99%.

PIB pelo IBGE

Em 2020, o PIB do Brasil caiu 4,1%, totalizando R$ 7,4 trilhões. Foi a maior queda anual da série do IBGE, iniciada em 1996 e que interrompeu o crescimento de três anos seguidos, de 2017 a 2019, quando o PIB acumulou alta de 4,6%.