Diesel sobe mais 8,8% alimentando ritmo da inflação

diesel
Segundo a estatal justifica o preço não era reajustado há 60 dias. Já os valores atuais cobrados pela gasolina e pelo GLP foram mantidos. Entretanto, os preços ao consumidor não param de subir

Não tem sequer trégua. A Petrobras anunciou nesta segunda-feira (9) que reajustou o preço de venda do diesel para as distribuidoras. Agora, o combustível passa a custar R$ 4,91, e não mais R$ 4,51, por litro. A elevação é de 8,7%.

A justificativa da estatal é que o preço não era reajustado há 60 dias. Já os valores atuais cobrados pela gasolina e pelo GLP foram mantidos. A mudança passa a valer já a partir desta terça-feira (10).

A cadeia de preços em todos os setores volta a receber nova carga de inflação. Já a estatal anota lucro bilionário e recorde de impostos são repassados ao governo federal.

Justificativa

Em nota, a Petrobras afirmou que, considerando a mistura obrigatória de 90% de diesel A e 10% de biodiesel no diesel comercializado, “a parcela da Petrobras no preço ao consumidor passará de R$ 4,06, em média, para R$ 4,42 a cada litro vendido na bomba”. Com isso, a variação seria de R$ 0,36 por litro.

A companhia afirma que a alta “segue outros fornecedores de combustíveis no Brasil que já promoveram ajustes nos seus preços de venda acompanhando os preços de mercado”.

De acordo com a Petrobras, o último reajuste no preço do diesel, em 11 de março, refletiu apenas uma parte da alta observada nos preços de mercado.

A empresa justificou a nova alta citando o balanço global impactado de diesel, com uma redução de oferta em relação à demanda e os estoques globais abaixo das mínimas sazonais dos últimos cinco anos nas principais regiões fornecedoras.