Consumo Fora do Lar não atinge nível pré-pandemia

img1
Entre os segmentos que melhor aparecem no consumo estão refrigerantes e lanches no último ano

Por todo o mundo, à medida que as restrições vão acabando e a confiança dos consumidores cresce, os hábitos de consumo vão gradualmente retornando ao que eram antes da pandemia de Covid-19, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido.

De acordo com novo relatório Barômetro OOH da Kantar, líder global em dados, insights e consultoria, as categorias que mais vêm se beneficiando com o retorno das pessoas às ruas são lanches e bebidas não alcoólicas fora de casa (OOH), que começam a mostrar rápida recuperação.

Brasil

No Brasil, o mais recente estudo Consumer Insights 2021, mostra que o consumo de alimentos e bebidas fora de casa caiu 7 pontos percentuais nos últimos três anos – em 2019, fora do lar representava 47% do consumo total brasileiro, e em 2021 chegou a 40%. Vale ressaltar, no entanto, que no 4º trimestre de 2021 a venda em unidades de alimentos e bebidas fora do lar alcançou seu melhor patamar desde o 2º trimestre de 2020.

São Paulo e Rio de Janeiro foram as regiões mais impactadas por essas medidas, mas já apresentam um cenário de retomada visto a partir do segundo semestre de 2021. Enquanto isso, cidades do Nordeste e do Sul já retornaram aos patamares pré-pandemia.

Inflação em dois dígitos 

Com a inflação acima de 10%, nem o repasse de preços e nem o aumento do número de compradores (+2,1%) foi suficiente para frear a queda em valor do consumo fora de casa no Brasil, que ficou estável em -0,5% entre 2020 e 2021.

 No curto prazo, a busca por sabor é a principal responsável pela retomada do consumo fora de casa, tendência que vem impulsionando as categorias de indulgência em momentos de socialização. O consumo de balas e gomas, por exemplo, cresceu 1,9% em 2021 na comparação com 2020. Sorvetes (+1,8%), bolos (+0,8%), biscoitos (+0,8%) e hambúrgueres (+0,5%) também aparecem entre os itens mais procurados pelos brasileiros fora do lar.

O estudo indica que incentivar a retomada da frequência de compras fora do lar (que caiu 9,5% nesse mesmo período) pode ser a melhor estratégia para alavancar os resultados em 2022, e retornar a números semelhantes aos do período anterior à Covid-19.

No Globo

Globalmente, as vendas em valor fora do lar aumentaram pelo terceiro trimestre consecutivo no 4º trimestre de 2021, com incremento de 19%, em comparação com uma queda de 25% no mesmo período em 2020. 

Isso impulsionou o valor de mercado total dentro e fora do lar em 6% ano a ano, com as maiores contribuições (quase ¾) vindas do Reino Unido, Espanha, China e França.

Comportamento do consumo

Apesar do cenário geral positivo, ao observar a evolução dos gastos OOH nessas categorias ao longo dos três últimos anos, percebe-se que ela ainda é 10% menor do que era no quarto trimestre de 2019. E mesmo que a proporção do valor total das vendas de OOH tenha aumentado de 30% para 34%, na comparação entre os quartos trimestres de 2020 e 2021, não atingiu o nível pré-pandêmico de 39%.

Bebidas

O desempenho de bebidas consumidas fora do lar foi melhor do que o de lanches, com crescimento de 22% e 14%, respectivamente, em 2021, no comparativo com 2020. A recuperação tem sido mais rápida nas categorias mais dependentes das ocasiões fora de casa, como bebidas não alcoólicas, café e sorvetes, que mais sofreram durante o isolamento social, principalmente por não conseguirem reproduzir os momentos de consumo fora do lar dentro de casa, como fizeram, com sucesso, chocolates e salgadinhos.

Refrigerantes

As vendas com refrigerantes em ocasiões fora do lar contribuíram com 49% do total do valor de mercado In&Out, versus 42% no 4º trimestre de 2020, mas ainda abaixo dos 57% que representavam em 2019. Enquanto isso, apesar de não terem voltado aos níveis pré-pandemia, as categorias café e sorvete estão crescendo.

O relatório Barômetro contemplou entrevistados de 8 países – Reino Unido, França, Espanha, Portugal, China, Tailândia, México e Brasil -, sendo que por aqui a amostra contou com 2.370 indivíduos de sete regiões metropolitanas: São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre, Salvador, Fortaleza e Recife.