Classes C e D no Ceará consomem menos

img1
As classes C e D no Ceará registram queda no consumo

As classes C e D no Ceará registram queda no consumo. Houve uma oscilação negativa de 0,3% em maio, de acordo com os números da Pesquisa de Hábitos de Consumo das Classes C e D da Superdigital, fintech do Santander.

Impacto por setor  

No Ceará, as categorias que mais recuaram foram Companhias Aéreas (-44%), Diversão e Entretenimento (-30%), Hotéis e Motéis (-17%). Em contrapartida, houve crescimento de 8% em cada um dos setores: Restaurante, Combustível e Transporte.

Em relação aos outros dois estados do Nordeste analisados na pesquisa da Superdigital, Pernambuco teve uma reação positiva no consumo com alta de 4%. Em contrapartida, a Bahia caiu 3%.

Crescimento no País

Todas as regiões do Brasil apresentaram melhora, mas o crescimento mais robusto foi no Norte (14%) e no Sudeste (10%). Sul, Centro-Oeste e Nordeste tiveram alta de 9%, 5% e 2%, respectivamente.

O Brasil registrou um crescimento de 8%. O resultado aponta uma boa recuperação, uma vez que em fevereiro, março e abril, a pesquisa apresentou quedas sequenciais. O levantamento é realizado mensalmente e busca traçar o perfil do consumidor das classes C e D.

Os setores que mais alavancaram os números foram Lojas de Roupas (12%), Transportes (10%), Restaurante (10%), Combustível (8%) e Hotéis e Motéis (8%). Os gastos que mais tiveram queda foram com Diversão e Entretenimento (-19%), principalmente, jogos online.

Volta às lojas físicas  

Neste mês, foi possível fazer uma análise sobre o comportamento de consumo, em que as pessoas passaram a fazer mais compras em estabelecimentos comerciais físicos e menos no e-commerce, fato relacionado à reabertura gradual do comércio e maior mobilidade.

Online

Em abril o consumo online representou 25% do total das compras e passou para 22% em maio. Já o consumo em lojas físicas passou de uma representatividade de 75% em abril para 78% em maio, com aumento nas categorias Diversão e Entretenimento (81%), Serviços (12%), Lojas de Roupas (9%) e Restaurante (7%).

Comportamento
 
Para Luciana Godoy, CEO da Superdigital no Brasil, "depois do fechamento do comércio que houve no início do ano, as pessoas voltaram a ir a restaurantes e lojas. Percebemos uma mudança até no consumo de entretenimento, já que nos meses anteriores identificamos crescimento de gastos com jogos online. Agora, o consumo está sendo em parques de diversão, academias, entre outros serviços presenciais”.

Esta avaliação fica ainda mais evidenciada observando os valores médios gastos em maio com cada modalidade. Os que mais cresceram foram em Companhias Aéreas (7%), Hotéis e Motéis (5%) e Restaurante (4%).

“As pessoas estão gastando com itens que dependiam de maior circulação. Conforme o avanço da vacinação, elas se sentem mais confiantes para viajar, ir a um restaurante ou espaço público”, avalia a executiva.