Docas: terminal de granel sólido conclui o arrendamento

img1
O terminal  ocupa uma área total de 6 mil m2, com capacidade de escoamento da produção de até 769 mil toneladas, e prevê investimentos de R$ 50 milhões

A Companhia Docas do Ceará participou na tarde de ontem (quarta-feira, 30), ao lado do Ministério da Infraestrutura, da assinatura do contrato com a empresa Tergran (Terminais de Grãos de Fortaleza Ltda.), arrendatária do Terminal de Granel Sólido Vegetal do Porto de Fortaleza. O MUC01 ocupa uma área total de 6 mil m2, com capacidade de escoamento da produção de até 769 mil toneladas, e prevê investimentos da ordem de R$ 50 milhões.

A solenidade aconteceu na B3, em São Paulo, e marcou a primeira desestatização portuária da história do Brasil: Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa), que contempla os portos de Vitória e de Barra do Riacho.

Utilização

Destinado à movimentação, armazenagem e distribuição de cargas – com destaque para o trigo -, o Terminal de Granel Sólido Vegetal do Porto de Fortaleza liderou o ranking deste tipo de carga entre os portos do país no ano de 2020, com a importação principalmente da Argentina, Estados Unidos e Canadá.

O montante representou 17,8% do trigo movimentado no país. Já no ano passado, foram descarregadas 1.121.196,449 toneladas de trigo a granel, com média de 23.358,259 toneladas por navio, por meio de 48 operações portuárias.

A Tergran atua no Porto de Fortaleza dede maio de 1997, onde já movimenta com exclusividade no A-2 todo o trigo importado pelos três moinhos cearenses (M. Dias Branco, Grande Moinho Cearense e J. Macêdo). Trata-se de uma parceria antiga entre os moinhos J. Macêdo (opera desde setembro de 1939), Grande Moinho Cearense (opera desde junho de 1959) e o M. Dias Branco (opera desde dezembro de 1992).

A partir de agora, com o arrendamento do MUC01, passa a administrar as duas áreas.
“Este é um momento muito importante para a Companhia Docas do Ceará que, após a conclusão das obrigações pré-contratuais pela Tergran em janeiro último, avança com a assinatura do contrato desta concessão por 25 anos. Estimamos que movimentação de cargas no Porto de Fortaleza deve dobrar até 2050, com crescimento de todas as cargas atualmente movimentadas como o trigo, que deve crescer 50%”, destacou Mayhara Chaves Diretora-presidente da Companhia Docas do Ceará.

Leilões

Os ativos leiloados, em sessão pública na B3, em São Paulo, somaram mais de R$ 828 milhões em investimentos previstos. Foram concedidas áreas em Paranaguá (PR), Santos (SP) e Suape (PE), com outorgas de R$ 30 milhões, R$ 10 milhões e R$ 15 mil, respectivamente.