Varejo cresce 6,9% no Ceará, mas sem ajuste chega a 25,2%

loja
Vendas represadas aconteceram em abril. Considerando o acumulado no ano, na série sem ajuste sazonal observa-se estabilidade (-0,1%). Já o acumulado nos últimos 12 meses registrou queda 1,3%

Depois de mais um freio, em abril de 2021, o volume de vendas do comércio varejista cearense aumentou 6,9%, frente a março, na série com ajuste sazonal, após queda de 19,4% em março. Os clientes em condições de comprar foram às compras.

A média móvel trimestral ficou em -3,8%. Na série sem ajuste sazonal, o comércio varejista teve alta de 25,2% frente a abril de 2020.

O acumulado no ano observa-se estabilidade (-0,1%). Já o acumulado nos últimos 12 meses registrou queda 1,3%.

Varejo ampliado

No comércio varejista ampliado, que inclui veículos, motos, partes e peças e de material de construção, o volume de vendas foi destaque nacional cresceu 18,7% frente a março (-14,4%).

Houve alta de 67,9% frente a abril de 2020. A média móvel do trimestre chegou a 2,8%, o acumulado no ano foi para 12,3% e o acumulado em 12 meses, para 2,1%.

Sete das oito atividades do varejo tiveram taxas positivas frente a abril de 2020. A alta de 25,2% no volume de vendas do varejo cearense, em abril de 2021, na comparação com o mesmo período de 2020, foi acompanhada de taxas positivas em sete das oito atividades. As principais contribuições vieram de Tecidos, vestuário e calçados (866,5%), Móveis e eletrodomésticos (351,3%) e Livros, jornais, revistas e papelaria (389,5%). A única taxa negativa veio de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-7,6%).

Veículos e motos aceleram

No comércio varejista ampliado, o setor de Veículos, motos, partes e peças cresceu 167,5% em relação a abril de 2020, assinalando a terceira taxa positiva consecutiva e o maior crescimento na série histórica, nessa comparação. Com isso, o setor acumulou no ano alta de 37,3%. O acumulado nos últimos 12 meses (6,3%), a primeira taxa positiva este ano nesse tipo de comparação.

Com aumento de 116,8%, o segmento de Material de Construção teve a terceira taxa positiva consecutiva. Com isso, o acumulado no ano mostra aumento de ritmo (30,7%), comparado a março (15,4%). O indicador acumulado nos últimos 12 meses passou de 6,8% em março para 16,1% em abril, mantendo o ritmo de crescimento observado nesse período.