Ceará em 2021: indústria cresce 3,7%; comércio se retrai 3,3%

img1
O ano de 2021 voltou a ser volátil para a atividade produtiva cearense considerando a conjuntura de incertezas e inflação

O ano de 2021 fechou no positivo para a indústria do Ceará, com avanço de 3,7% na produção. No primeiro semestre a trajetória foi mais crescente, acumulando ao final variações positivas. Mas, no segundo semestre, houve perda de fôlego e a produção teve sequência de quedas.

Houve queda de 1,0% na passagem, de novembro para dezembro, aponta a Pesquisa Industrial Mensal (PIM Regional) do IBGE.

Na comparação com igual mês do ano anterior, o setor industrial cearense mostrou redução de 20,9% em dezembro de 2021. Vale citar que dezembro de 2021 (23 dias) teve um dia útil a mais do que igual mês do ano anterior (22).

Nesse mês, o Estado assinalou o recuo de dois dígitos e os mais intensos, pressionados, principalmente, pelo comportamento negativo vindo dos setores de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados (calçados de plástico moldado, tênis e calçados de couro feminino) e confecção de artigos do vestuário e acessórios (bermudas, shorts e semelhantes, sutiãs, calças compridas, calcinhas, camisetas e camisas de uso masculino).

Varejo em baixa

No acumulado de 2021, o varejo cearense decresceu 3,3%. No comércio varejista ampliado, que inclui veículos, motos, partes e peças e material de construção, o volume de vendas declinou 1,9% em relação ao mês de novembro. Esse segmento da pesquisa, acumulou em 2021 alta de 7,1%, tendo como base comparativa igual período do ano anterior.

Em dezembro de 2021, o volume de vendas do comércio varejista cearense recuou 1,7%, na série com ajuste sazonal, após variar 1,1% em novembro. Na série sem ajuste, o comércio varejista teve queda de 8,9% frente a dezembro de 2020, representando a sexta taxa negativa consecutiva.

Na comparação com dezembro de 2020, o comércio varejista teve queda de 8,9%, com taxas negativas em seis das oito atividades.

Com maior impacto, o segmento de móveis e eletrodomésticos teve queda de 22,7% no volume de vendas em relação a dezembro de 2020. No ano, a atividade acumula variação negativa de -9,4%. O segmento passa ainda por dificuldades para se adaptar ao rearranjo no consumo que ocorreu para esses produtos em decorrência da pandemia.

Combustíveis

Combustíveis e lubrificantes recuaram 7,5%, na comparação com dezembro de 2020. A elevação dos preços de combustíveis, acima da variação média de preços, vem influenciando negativamente o desempenho do setor. O acumulado nos últimos doze meses mostra avanço frente ao mês anterior (8,7%). Em relação ao acumulado no ano, o movimento foi de redução no ritmo nos últimos três meses: 12,1% até outubro, 10,7% até novembro e 8,7% em dezembro de 2021.