Dia da Criança: shoppings esperam alta de até 30% nas vendas

img1
Pesquisa da Alshop mostra que apesar do aumento na expectativa de vendas para 87% dos lojistas, fatores como o aumento de custos e perda de poder de compra prejudicam o desempenho do comércio

Às vésperas do Dia das Crianças, uma das datas mais relevantes para o comércio brasileiro no segundo semestre, a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) fez uma pesquisa nacional com lojistas associados que representam 1.200 pontos de venda sobre a expectativa com a data.

Mais vendas e menor valor

Segundo a pesquisa, 87,5% dos lojistas esperam aumento nas vendas de até 31% até a próxima terça-feira, 12 de outubro. Neste universo, 50% esperam aumento de até 20% nas vendas e 37,5% esperam incremento entre maior, entre 21 e 30% nas vendas.

Os otimistas que esperam um aumento superior a 31% representam 6,3%, assim como os comerciantes que esperam apenas a estabilidade nas vendas por ocasião desta data.

Produtos desejados

Os eletroeletrônicos como tablets e smartphones, que se destacaram nas vendas em anos anteriores, definitivamente não tem sido os itens mais procurados no comércio, segundo os associados da Alshop.

 A maioria dos consumidores está procurando presentes mais baratos: 18,8% dos consumidores procuram itens de até R$ 80 e outros 75% procuram itens de R$ 81 a R$ 150. Os eletrônicos, itens de valor agregado mais alto, têm sido procurados por apenas 6% dos clientes nas lojas e sites.

Dólar encareceu

“Com o aumento de custos indiretos e do dólar, os brinquedos estão mais caros neste ano, mas a reabertura das lojas, dos centros de compra incluindo as áreas de lazer dos shoppings tem atraído as famílias que buscam um pouco de diversão após mais de um ano e meio sob as restrições. Isso leva a um aumento nas vendas embora com ticket mais baixo do que dos anos anteriores”, explica Nabil Sahyoun, presidente da ALSHOP.

De acordo com Sahyoun, entre os associados que atuam no segmento de brinquedos e produtos infantis, as vendas que mais cresceram neste ano foram os kits de montagem, chamados de steam toys, além de quebra cabeças e brinquedos de mobilidade como patinetes e bicicletas de pequeno porte. “Com a volta do público aos parques, se valoriza muito as brincadeiras ao ar livre e os associados já notaram maior procura por itens de esporte e mobilidade além dos kits de montagem”, comenta.

Desafios dos lojistas

Em meio a alta generalizada de custos como o aluguel, combustíveis, energia e de insumos, além da elevação de preços de itens importados por conta do dólar, os preços estão mais caros também na vitrine das lojas. E com a renda reduzida, inflação e ainda incertezas quanto à retomada da economia, os associados da Alshop já perceberam que o comportamento do consumidor mudou, mas apesar do cenário atual, o lojista está otimista com a atividade comercial no final deste ano.