CSP produz 10 milhões de t de ferro-gusa e comemora marca

csp2
Após cerca de três anos de operação,a indústria siderúrgica cearense marca a estabilidade de seu Alto-forno e comemora com colaboradores

Após cerca de três anos e seis meses depois do início das atividades, a Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) demonstra a estabilidade na produtividade do Alto-Forno, equipamento que produz o ferro-gusa, e bate a significativa marca de produção de 10 milhões de toneladas do produto. 

O ferro-gusa é um líquido incandescente que atinge até 1.600 graus célsius. Trata-se do produto que sai do Alto-Forno após o processo chamado de redução, etapa anterior à produção do aço líquido e placas de aço, que ocorre na Aciaria.

O ferro-gusa é transportado do Alto-Forno para a Aciaria dentro do carro-torpedo, uma locomotiva em formato de torpedo revestida internamente com material refratário. A CSP reuniu lideranças e empregados em cerimônia simples para registrar a conquista.  

Felipe Viana, 22 anos, de São Gonçalo do Amarante, por exemplo, foi contratado após concluir sua turma do Programa Jovem Aprendiz da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP).

Ele vendia salgados e fazia trabalhos de autônomo em casa para ajudar na renda familiar, cuidar da mãe e dos dois irmãos mais novos. Hoje, realiza importante função no carregamento de matérias-primas do Alto-Forno, contribuindo para a siderúrgica atingir 10 milhões de toneladas de ferro-gusa. Com isso, conquistou melhorias para a qualidade de vida da família. 

 “Hoje, eu entendo, de fato, a minha importância na empresa e a importância da empresa pro Ceará e para o Brasil. Produzir aço é algo que nunca imaginei pra minha vida profissional. Imaginar que eu trabalharia naquela empresa grande que estava chegando na minha cidade é um sonho que se realiza”, comentou. 

 José Izaias, 20 anos, também de São Gonçalo do Amarante, teve o seu primeiro emprego já no Alto-forno da CSP, após concluir sua turma de Jovem Aprendiz CSP. Trabalha juntamente com Felipe no carregamento de matérias-primas no Alto-Forno. 

 “Eu conheci a CSP inicialmente por meio de amigos e familiares que trabalhavam aqui. Eu lembro até que eu estava finalizando o Ensino Médio. Aí despertou um certo interesse. Eu me inscrevi no Jovem Aprendiz e fui selecionado. Aqui dentro também despertou o interesse por mecânica e elétrica. Eu quero seguir carreira nessas áreas”, declarou.