Cheque especial terá juro limitado, mas ainda é muito caro

cheque
Os juros do cheque especial encerraram novembro em 12,4% ao mês, o que equivale a 306,6% ao ano. E mesmo com a limitação ainda configuram uma linha de crédito caríssima

O cheque especial terá juros limitados a partir da próxima segunda-feira (6). A limitação dos juros da modalidade de crédito com taxas que quadruplicam uma dívida em 12 meses, foi decidida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) no fim de novembro. Os juros do cheque especial encerraram novembro em 12,4% ao mês, o que equivale a 306,6% ao ano. Continuarão a ser uma linha de crédito muito cara.

Ao divulgar a medida, o Banco Central (BC) explicou que o teto de juros pretende tornar o cheque especial mais eficiente e menos regressivo (menos prejudicial para a população mais pobre). Para a autoridade monetária, as mudanças no cheque especial corrigirão falhas de mercado nessa modalidade de crédito.

Cobrança de tarifa 

Os bancos não poderão cobrar taxas superiores a 8% ao mês no cheque especial, o equivalente a 151,8% ao ano. Mas, o governo compensou os bancos. Para financiar em parte a queda dos juros do cheque especial, o CMN autorizou as instituições financeiras a cobrar, a partir de 1º de junho, tarifa de quem tem limite do cheque especial maior que R$ 500 por mês. Equivalente a 0,25% do limite que exceder R$ 500, a tarifa será descontada do valor devido em juros do cheque especial.

Cada cliente terá, a princípio, um limite pré-aprovado de R$ 500 por mês para o cheque especial sem pagar tarifa. Se o cliente pedir mais que esse limite, a tarifa incidirá sobre o valor excedente. O CMN determinou que os bancos comuniquem a cobrança ao cliente com 30 dias de antecedência.

No último dia 23, o Banco do Brasil anunciou que dispensará os clientes da tarifa em 2020. Segundo a instituição financeira, a isenção tem como objetivo fortalecer a relação com os clientes. (Com Agência Brasil)