Governo prevê expansão de 2,38% para o PIB do Ceará em 2020

vaca
A agropecuária, mesmo com menor participação no PIB cearense, foi o motor do crescimento. A indústria ganhou fôlego e os serviços vieram com menos força Foto: Freepik

Para 2020, o governo cearense projeta um crescimento de 2,38% do Produto Interno Bruto (PIB) do Ceará. Em 2019, até o terceiro trimestre a expansão da atividade econômica do Estado foi e 1,51%, acima da média do País de 1,0%. O governo comemora o resultado positivo, mas reconhece que o Ceará precisa avançar de forma mais veloz para melhorar a condição econômica da população. A previsão de crescimento da economia cearense para 2019 é de 1,59%, superior à média da estimativa para a economia brasileira, que é de 1,12%.

No terceiro trimestre de 2019, o PIB fechou com expansão de 1,87% em relação a igual período de 2018. Na comparação com o segundo trimestre de 2019, a elevação foi de 1,28%. Nos últimos quatro últimos trimestres o crescimento acumulado foi de 1,48%. Os números da economia cearense são superiores à média do Brasil, na mesma relação, de 1,2%; 0,6% e 1%, respectivamente. Os números foram apresentados pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece).

Por setor

Dos três setores que compõem o PIB, Agropecuária, Indústria e Serviços, o primeiro foi a locomotiva do crescimento, com avanço de 6,66% no terceiro trimestre de 2019 em relação a igual período do ano anterior, quando fechou em 18,64% (isso pelo valor adicionado, que é a contribuição ao produto interno bruto pelas diversas atividades econômicas, obtida pela diferença entre o valor de produção e o consumo intermediário absorvido por essas atividades).

Portanto, a agropecuária – mesmo levando em consideração que é, dentre os três setores, o que tem menor peso no cálculo do PIB – apresentou melhor desempenho, contribuindo em muito para a elevação do Índice. O resultado, inclusive, também superou o nacional, de 2,1% no terceiro trimestre de 2019. O setor agropecuário do Estado, no acumulado dos últimos quatro trimestres, atingiu 7,87% e no ano 4,51%.

Industria 

A Indústria ganhou melhor fôlego no terceiro trimestre de 2019 em comparação com igual período 2018, apresentou índice de crescimento de 3,7%. Se comparado ao 2º trimestre de 2019, a alta foi de 3,77%. No ano, ou seja, nos três trimestres, o acumulado atinge 1,43% e nos últimos quatro trimestres, -0,21%.

O resultado da indústria no terceiro trimestre é o segundo positivo de 2019, uma vez que, no primeiro trimestre, o índice foi negativo: – 3,08%. Dos quatro segmentos que compõem a Indústria, duas apresentaram evolução: Eletricidade, Gás e Água (SIUP), com alta de 12,12% no terceiro trimestre de 2019, e Construção Civil, com incremento de 4,34% no terceiro trimestre de 2019 em relação ao terceiro trimestre do ano passado, enquanto que o acumulado no ano atinge 3,23% e nos quatro trimestres, 2%. O segmento de Transformação ficou com índice negativo no terceiro trimestre deste ano: 0,27%, e a Extrativa mineral com -4,56%.

Serviços

Já o setor Serviços, que é a vocação do Estado, ficou em terceiro lugar, com alta de 1,2% no 3º trimestre em relação a igual período de 2018. No acumulado de 2019, a elevação é de 1,33% e no acumulado dos quatro trimestres totaliza 1,39%.

Dentre os seis segmentos que compõem o Serviços, o melhor resultado foi do Comércio, com crescimento de 2,77% no terceiro trimestre de 2019 em relação a igual período de 2018. Depois vem Intermediação Financeira, com 1,98%, seguido por Transportes, com 0,98%, e Alojamento e Alimentação, com 0,79%. Dois apresentaram índices negativos: Administração Pública, com -0,30%, e Outros Serviços, com -1,68%.