Vendas de espumantes saltam 50% em 2019 no País

espumante
A vinícola Garibaldi, uma das cinco maiores do mercado nacional aponta os números e observa que os espumantes rosés puxam a alta nas vendas Foto: Cassius Fanti 

O saboroso hábito de beber espumantes vem ganhando cada vez mais espaço na rotina dos brasileiros. No primeiro semestre de 2019, a venda desse tipo de produto cresceu acima dos 50% no comparativo com o mesmo período do ano anterior.

O preferido para encher as taças dos consumidores brasileiros é o tipo moscatel, líder no ranking dos mais vendidos da marca.

As variedades do tipo rosé despontam de forma promissora: em 2018, responderam por 28% das vendas de espumantes. Em 2019, esse percentual subiu para 33% no primeiro semestre.

Quem comprova são os números da Cooperativa Vinícola Garibaldi, uma das cinco principais fabricantes nacionais da bebida borbulhante. Dois fatores ajudam a elucidar o desempenho da marca. O primeiro deles é o investimento forte e continuado na qualidade das bebidas.

A Cooperativa Vinícola Garibaldi vem aplicando um plano de negócios que preza pela excelência de seus rótulos, processo que começa com as orientações adequadas ao produtor agrícola, que entrega as uvas na safra, e segue em cada etapa do processo de fabricação, envolvendo qualificação de colaboradores e investimentos em modernização tecnológica.

A marca encerrou 2018 com 86 premiações para seus produtos em concursos nacionais e também fora do país – entre eles o título de melhor espumante do Cone Sul (título do Espumante Garibaldi Moscatel no Catad'Or Wine Awards, Chile). Em 2019, já são 45 premiações.

Outro ponto importante nessa equação é a capilaridade dos negócios no varejo: a Cooperativa Vinícola Garibaldi vem trabalhando sua presença de marca junto a supermercadistas de todo o país. São eles que respondem, atualmente, pela distribuição de 75% dos produtos da marca.

Até o fim deste ano, a Cooperativa Vinícola Garibaldi deve produzir cerca de 18 milhões de litros de bebida, entre espumantes, sucos e vinhos. O volume é 20% maior que a produção registrada no ano anterior. Os espumantes responderão por 20% do volume e 38% do faturamento da marca.