Decon constata variação de até 53% no preço de ave para a ceia

decon
Foram visitados pelo Decon os grandes supermercados de Fortaleza e ainda pesquisados sites de compras 

Os preços estão cada vez mais elevados e desafiadores para o consumidor e o Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Decon) dá uma mãozinha na hora das compras da ceia, com pesquisa dos preços das aves natalinas. Foi constatado variação de 53,66% entre o mesmo produto, em diferentes pontos de venda.

O levantamento foi realizado nos dias 04, 09 e 10 de dezembro, verificando cestas de natal e aves natalinas nos supermercados das maiores redes da Capital cearense, bem assim em sites que também oferecem cestas natalinas, com o objetivo de fornecer aos consumidores informações que possam ajudar a orientar suas compras nesse período de festas e confraternizações.

Diferenças

Os dados levantados mostram que a maior variação de preços foi observada entre as opções de aves natalinas, especialmente pelo fato de a oferta ser mais ampla. Entre os produtos desta categoria, a maior variação de preços foi identificada para a “Ave Fiesta Assa Fácil Seara”, atingindo um percentual de 53,66%. A menor variação encontrada foi de 1,15%, na “Cesta Natalina Econômica Catelândia – 22 itens”. 

As lojas visitadas foram: Assaí, Center Box, Cometa, Bompreço, Carrefour, Extra, Gbarbosa, Kalunga, São Luiz, Pinheiro, Frangolândia, Guará, Pão de Açúcar, Super Lagoa; e os sites: americanas.com e submarino.com. “É importante comprar de forma consciente, sem comprometer o orçamento, pois o atual momento da economia ainda recomenda prudência nos gastos. Portanto, fizemos essa pesquisa para ajudar os consumidores a fazer a melhor compra e, consequentemente, não iniciar o ano com muitas dívidas”, explica a secretária-executiva do Decon, promotora de Justiça Ann Celly Sampaio. 

A pesquisa conclui que há uma tendência de uniformidade nos preços da maioria dos produtos. Já na oferta de itens há uma maior variedade de aves, enquanto que as cestas natalinas são disponibilizadas de modo mais restrito. “Por isso, é muito importante que o consumidor fique atento na hora da compra, não apenas no que se refere aos preços, mas também quanto à validade e condições de armazenamento dos produtos”, reforça Ann Celly.