Turistas domésticos elegem Fortaleza líder na demanda

fortal
Aumento de turistas em busca de Fortaleza nas plataformas do Expedia Group foi de 40%

Não é só a beleza da orla iluminada pelo sol que referenda a força de Fortaleza como destino turístico. Mais um levantamento aponta essa evidência. O Expedia Group revelou a liderança da Capital cearense na demanda de visitantes, com um crescimento de  mais de 40% entre as cidades brasileiras em todas as suas plataformas na primeira metade do ano.

O turista que buscou Fortaleza fez a procura com um antecedência média de quase um mês, precisamente 28 dias. A permanência média na cidade foi de três dias.

Depois da líder Fortaleza, no ranking de 10 cidades com a maior demanda entre janeiro e junho, as buscas foram maiores para Brasília e Florianópolis, ambas com 30%, São Paulo (perto de 25%), Rio de Janeiro, Salvador e Belo Horizonte, com 20%), Curitiba, Foz do Iguaçu e Porto Alegre, na casa dos 15%.

Entre janeiro e junho, no dado geral, 77% da demanda por viagens a destinos brasileiros veio do mercado doméstico, com um aumento de quase 35% no período. Os estrangeiros ficaram com 23% da demanda, com ênfase para EUA, Argentina, Chile, Reino Unido e México.

Hospedagem

A duração média da hospedagem dos turistas, de modo geral, no primeiro semestre foi de dois dias, enquanto a antecedência média da procura ficou em 20 dias. Entre as cidades mais procuradas, Fortaleza teve a maior duração média, de 3 dias, enquanto Foz do Iguaçu teve a maior antecedência na demanda, superior a 30 dias. A procura por pacotes, incluindo hotel e voo) saltou cerca de 20% no primeiro semestre de 2019, com uma antecedência média de 43 dias e hospedagem média de quatro dias. Merece destaque a demanda de visitantes utilizando o smartphone, com crescimento de quase 65% no período, uma participação de mais de 35% do total.

A pesquisa também avaliou o comportamento dos turistas no segundo trimestre do ano, ou seja, de abril a junho de 2019, em comparação com igual período do ano passado. A constatação é que crescimento na demanda por viagens aos destinos brasileiros foi maior, de quase 35%. A antecedência média da procura no segundo trimestre foi de quase 20 dias, e a duração média da hospedagem, de dois dias.