Consumidor reduz queixas, mas quer mais qualidade

cel
O consumidor pode prestar queixa pelo fone 1331 ou na página online da Anatel 

Os consumidores estão reclamando menos contra operadoras de telecomunicações à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Em junho de 2019 as queixas recuaram 17,2% em relação a maio deste ano. Foram recebidas 218.356 reclamações em junho nos canais de atendimento da Agência.

Os consumidores apresentaram suas reclamações pela central telefônica do órgão regulador (55,7%) – acessível pelo 1331 –, pela página online (30,7%), pelo aplicativo móvel “Anatel Consumidor” (13,4%) e pelo atendimento pessoal nos escritórios da Anatel em todos os estados e no Distrito Federal (0,3%).

Todos os principais serviços de telecomunicações acompanhados pela Anatel apresentaram redução em junho de 2019. A telefonia fixa com 44.686 reclamações em junho registrou queda de 22,1% em relação a maio.

Em seguida, vem a telefonia móvel pós-paga com 76.340 reclamações, menos 17,6%; a TV por Assinatura com 26.548 queixas, menos 15,3%; a banda larga fixa com 41.867 reclamações, menos 15,1%, e a telefonia móvel pré-paga com 27.823 reclamações, menos 12,4%.

A operadora TIM foi a que mais foi citada entre as queixas dos consumidores na telefonia móvel pós-paga (40,2%) e na móvel pré-paga (48,7%). Na TV por assinatura a operadora mais citada nas reclamações foi a Claro/NET com 46,6% das queixas. Em relação à telefonia fixa foi a Oi, com 48,4% e na banda larga fixa foi a Vivo com 27,4%.

Reclamações sobre cobrança foram os principais motivos de queixas registradas na Anatel contra prestadoras de telecomunicações: 51,1% das queixas
na TV por Assinatura, 45,5% na telefonia móvel pós-paga e 41,8% na telefonia fixa. Na banda larga fixa o principal motivo das reclamações foi “qualidade, funcionamento e reparo”, 33,7% do total, e na telefonia móvel pré-paga foram queixas relativas a crédito, 31,0%.