Famílias com renda até 2,5 Mínimos sofrem maior inflação

carne
A carne apresentou um dos maiores impactos na cesta de compras do brasileiro de qualquer classe e com os mais pobres não foi diferente

O Índice de Preços ao Consumidor - Classe 1 (IPC-C1), que mede a inflação para famílias com renda até 2,5 salários mínimos avança e permanece acima do IPC-BR; Em novembro, o indicador subiu 0,56%, ficando 0,68 ponto percentual (p.p.), acima de outubro quando o índice registrou taxa de -0,12%. Com este resultado, o indicador acumula alta de 3,64% no ano e 3,98% nos últimos 12 meses.

Em novembro o IPC-BR variou 0,49%. A taxa do indicador nos últimos 12 meses ficou em 3,61%, nível abaixo do registrado pelo IPC-C1.

Carestia

Nesta apuração, sete das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação: Habitação (-0,47% para 0,70%), Alimentação (-0,18% para 0,60%), Despesas Diversas (0,45% para 2,48%), Educação, Leitura e Recreação (0,09% para 0,59%), Vestuário (0,07% para 0,32%), Comunicação (-0,03% para 0,14%) e Transportes (0,14% para 0,19%).

Nestas classes de despesa, vale destacar o comportamento dos itens: tarifa de eletricidade residencial (-3,26% para 2,85%), carnes bovinas (1,05% para 7,56%), jogo lotérico (0,00% para 26,16%), passagem aérea (-4,14% para 15,08%), calçados (-0,24% para 0,45%), pacotes de telefonia fixa e internet (0,00% para 0,75%) e gasolina (0,86% para 1,11%).

Em baixa

Em contrapartida, o grupo Saúde e Cuidados Pessoais (0,20% para 0,11%) apresentou recuo em sua taxa de variação. Nesta classe de despesa, vale citar o item produtos farmacêuticos (0,73% para 0,35%).