Feijão de corda fica até 50% mais caro para o cearense

feijao
O consumidor terá que pagar mais caro para levar o feijão à mesa. A alternativa é pesquisar mais, diante da entressafra. Foto: Regina Carvalho

O mercado agrícola iniciou a semana com preços elevados para os feijões, com altas de preço no atacado de até 50% e o consumidor começa a sentir esse impacto no bolso para adquirir o gênero de primeira necessidade.

O feijão de corda, de maior consumo à mesa do cearense e também dos nordestinos em geral, saltou de R$ 3,00 para R$ 4,50, o quilo. Um reajuste de 50%.

O analista de mercado da Ceasa, Odálio Girão, explica que a majoração deve-se à redução na produção e nas colheitas deste tipo de feijão.

Importação

Com isso, o produto está sendo importado para o Estado, vindo da Bahia, de Pernambuco e do Sul do Piauí. A parcela que é oriunda do mercado cearense está em quantidade bem reduzida. Quem quiser manter o feijão à mesa terá que pagar mais caro e pesquisar.

O feijão do tipo carioquinha também não foge à regra da majoração de preços. Sendo o grão de maior consumo, com 80% do mercado nacional, o produto está no período da entressafra. Com isso, o preço do quilo passou de R$ 4,00 para R$ 5,40, alta de 35%.

A produção do carioquinha é em maior volume do Paraná, de Minas Gerais e em pequena parte de Goiás, observa Odálio Girão. Como o aumento de preços deve-se ao fim de safra, a expectativa é de uma demora de 90 dias para novas colheitas. Até então, com o produto em menor quantidade no mercado local, ou seja, menor oferta, preços maiores.