CE criou 3,4 mil empregos formais em outubro e 8,8 mil no ano

vagas
No acumulado de 12 meses até outubro, o Ceará abriu 5.038 novas vagas, registrando um crescimento de 0,44% no emprego com carteira assinada Foto: Freepik

O Ceará criou 3.496 vagas de emprego com carteira assinada em outubro deste ano, um crescimento de 0,30%. O saldo foi obtido a partir da admissão de 34.147 trabalhadores em relação ao desligamento de 30.631.

No ano, ou seja, de janeiro a outubro, foram gerados no Estado 8.870 postos de emprego formal, avanço de 0,77%, e no acumulado de 12 meses até outubro, 5.038 novas vagas, crescimento de 0,44%.

Nesse período, sete dos oito setores da economia cearense apresentaram saldo positivo. O resultado foi puxado pelos Serviços (1.157), Indústria de Transformação (1.047) e Comércio (961).

Dentre os subsetores, destacam-se o comércio varejista (826), a indústria de calçados (808), o comércio e administração de imóveis, valores mobiliários, serviço técnico (594) e o serviços de alojamento, alimentação, reparação, manutenção, redação (240). Os municípios com maiores saldos, além de Fortaleza (819), foram Quixeramobim (253), Brejo Santo (230), Horizonte (221) e Caucaia (208).

Brasil

Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta quinta-feira (21), pelo Ministério da Economia. No País, este foi o sétimo mês consecutivo na geração de empregos formais. O saldo registrado é de 70.852 novas vagas, resultado de 1.365.054 admissões e 1.294.202 desligamentos no período. Mas ainda muito longe de aplacar a dificuldade sofrida por uma massa que supera 12,5  milhões de brasileiros sem uma ocupação no mercado de trabalho.

A Secretaria de Trabalho da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia afirma que o resultado apresenta um estoque total de empregos em 39,252 milhões, superior aos 38,695 milhões registrados em outubro de 2018.

Setores

Cinco dos oito setores da economia tiveram resultado positivo. Destaque no mês ficou com o Comércio, responsável por 43.972 novas vagas. Completam a relação Serviços (19.123 postos), Indústria de Transformação (8.946 postos), Construção Civil (7.294 postos) e Extrativa Mineral (344 postos). Apresentaram saldo negativo os setores da Agropecuária (-7.819 postos), Serviços Industriais de Utilidade Pública (-581 postos) e Administração Pública (-427 postos).

Estados e regiões

As cinco regiões tiveram saldo positivo em outubro, com destaque para a região Sul, com a geração de 27.304 novas vagas. Nordeste teve +21.776; Sudeste, +15.980; Norte, +4.315; e Centro-Oeste, +1.477. Entre as unidades da federação, 23 tiveram variação positiva, com destaque para Minas Gerais com 12.282 vagas; São Paulo, +11.727; e Santa Catarina, +11.579. Já o saldo em Rio de Janeiro (-9.942); Distrito Federal (-1.365); Bahia (-589); e Acre (-367) foi negativo.

Trabalho intermitente

Na modalidade de trabalho intermitente, foram 14.254 admissões e 8.167 desligamentos, resultando num saldo de 6.087 empregos. A maioria deles, 2.129, no setor de Serviços. No comércio foram 2.045 e na Indústria de Transformação, 1.267. As principais ocupações foram assistente de vendas (594), repositor de mercadorias (527) e cozinheiro (264).

Já no regime de tempo parcial, o saldo em outubro foi de 2.569 empregos. Foram registrados 7.480 admissões e 4.911 desligamentos. Os setores que mais contrataram nessa modalidade também foram Serviços (1.150 postos), Comércio (1.139) e Indústria de Transformação (232) e as principais ocupações foram repositor de mercadorias (481), operador de caixa (346) e operador de telemarketing (185).