e-commerce fatura R$ 18 bi no terceiro trimestre, alta de 23%

ecomerce
As atenções no varejo online se voltam agora para a Black Friday e o Natal de 2019, que tende a ser um pouco melhor Foto: Freepik

O e-commerce é o fenômeno dos novos tempos pela facilidade e preços muitas vezes mais competitivos. O consumidor deve buscar segurança e quem o faz gira esse varejo poderoso que faturou R$ 18 bilhões no terceiro trimestre, alta de 23% em relação a igual período do ano passado, segundo levantamento da empresa Compre&Confie. A cifra também representa aumento de 12% em relação ao trimestre anterior.

De acordo com a companhia, a alta expressiva tem dois motivos: as promoções da Semana do Brasil e o Dia dos Pais. Somados, esses dois efeitos representam 27% do faturamento do trimestre.

 As categorias que geraram maior faturamento no período foram: Telefonia (responsável por 15% da cifra atingida), Eletrodomésticos e Ventilação (12%), Entretenimento (11%), Moda e Acessórios (9%) e Informática e Câmeras (9%).

Black Friday e Natal

 “O segundo semestre já tende a ser mais movimentado para o varejo, com a Black Friday e o Natal, datas tradicionais cujo tráfego traz resultados para o ambiente do e-commerce também. A diferença este ano foi que esse movimento começou mais cedo com as promoções realizadas pela Semana do Brasil e Dia dos Pais, fortalecendo a relação dos consumidores com o varejo digital”, afirma André Dias, diretor-executivo do Compre&Confie.

Ao todo, foram realizados 45 milhões de pedidos de compras via internet durante o terceiro trimestre, alta de 25% em relação ao mesmo período do ano passado e de 12% em relação ao segundo trimestre.

A maior parte dos pedidos foi feita por consumidores entre 36 e 50 anos (34%), seguidos por compradores entre 26 e 35 anos (33%) e pelos mais jovens, de até 25 anos (19%). Os consumidores acima de 51 anos ficam em quarto lugar, com 14% das compras.

Moda e acessórios

As categorias com maior volume de compras foram: Moda e Acessórios (responsável por 17% do total de pedidos), Entretenimento (12%), Beleza, Perfumaria e Saúde (10%), Artigos para a Casa (6%) e Telefonia (6%).