Bares e restaurantes comemoram recuo na cobrança de taxa de cartão

card
O aumento cobrado pela Mastercard geraria um impacto de até 40%, recaindo sobre o setor e refletindo nos consumidores

Após grande mobilização do setor de bares e restaurantes em todo o Brasil, a Mastercard anunciou a suspensão do aumento da tarifa que afetaria o setor. O reajuste, que passaria a vigor a partir de 1º de outubro, poderia chegar a 40%, o que causou forte reação da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), que, inclusive, chegou a “invadir” uma live feita pelo presidente Bolsonaro, no dia 19 de setembro, com a mensagem “Ajude a gente, aí! Impeça o aumento abusivo de 40% da Mastercard!”. 

“Somos um setor que gera emprego para mais de seis milhões de brasileiros, então nossa voz precisa ser ouvida, e foi ouvida. Após a mobilização, o presidente da Abrasel Nacional, Paulo Solmucci, participou de uma reunião com o diretor do Banco Central, João Manoel, responsável pela regulamentação dos meios de pagamentos. E a partir deste diálogo conquistamos este importante resultado para os bares e restaurantes de todo o país”, diz Rodolphe Trindade, presidente da Abrasel no Ceará. 

A Abrasel chegou a abrir uma ação no Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) na sexta-feira (27), pedindo uma medida cautelar que suspendesse o reajuste e também a investigação da estrutura, na qual a concorrência levaria a um aumento de tarifas, e não à redução. “A Abrasel sai deste enfrentamento maior, mais madura e com os seus membros melhor engajados”, destaca Paulo Solmucci.