Comprometimento da renda do fortalezense é o maior desde 2010

divida
Os fortalezenses têm se esforçado para pagar dívidas em atraso, mas o comprometimento da renda elevado dificulta Foto: Freepik

Ainda é bastante elevado, mas o nível de endividamento do consumidor fortalezense recuou em setembro, passando de 6,7% em agosto, para os atuais  60,1% que possuem algum tipo de dívida. O índice veio 7,2 pontos percentuais abaixo do indicador anterior, mas ainda é superior do verificado em igual mês do ano passado (51,3%).

A melhora veio da injeção de recursos da primeira parcela do 13º salário e também em parte de recursos do FGTS. Mas o comprometimento da renda familiar é alto, no patamar de 40,6%, sendo o percentual mais elevado verificado no histórico da Pesquisa de Endividamento do Consumidor da Fecomércio-CE, que adotou a atual metodologia em 2010.

A proporção de consumidores com contas ou dívidas em atraso caiu 3,1 pontos percentuais, passando de 23,3% dos consumidores em agosto, para 20,2% neste mês. Os problemas financeiros afetam mais as mulheres (22,1% dos entrevistados desse gênero afirmaram possuir contas em atraso), os consumidores do grupo com idade acima dos 35 anos (24,0%) e do estrato com renda familiar abaixo de cinco salários mínimos (23,6%).

Vida financeira desorganizada

O tempo médio de atraso é de 65 dias e a principal justificativa para o não pagamento das dívidas é o desequilíbrio financeiro - a diferença entre a renda e os gastos correntes – citado por 56,8% dos consumidores. O segundo motivo mais citado é o adiamento por conta do uso dos recursos em outras finalidades, com 30,6%, seguido da contestação da obrigação (11,9%).

Os instrumentos de crédito mais utilizados pelos consumidores são: cartões de crédito, citados por 78,3% dos entrevistados; financiamento bancário (veículos, imóveis etc.), com 12,4%; empréstimos pessoais, com 11,2%; carnês e crediários, com 6,9%; e cheque especial, com 3,3%.

Para entender

Todo inadimplente está endividado, porém, nem todo endividado está inadimplente. Quando uma pessoa realiza um financiamento bancário ou tem contas no cartão de crédito, por exemplo, ela assume dívidas. No entanto, o que diferencia o endividado do inadimplente é o pagamento desta dívida. Quem tem contas parceladas e realiza o pagamento em dia, significa que está endividado. Porém, aquele que contrai uma dívida e não consegue realizar o pagamento em um prazo de 90 dias, este pode ser considerado inadimplente.

Apesar do consumidor ter reduzido seu consumo e evitado assumir novas obrigações com dívidas, a queda da renda familiar e o desemprego têm contribuído para a elevação da taxa de comprometimento da renda, trazendo novas dificuldades para a gestão do orçamento doméstico.