Arrecadação federal é a maior para agosto desde 2014

receita
O crescimento real, descontada a inflação, da arrecadação federal, comparado a agosto de 2018, chegou a 5,67% Foto: Freepik

O volume de impostos que o brasileiro paga se reflete nos cofres da Nação e tiveram uma reação com a economia dando alguns sinais de maior atividade. A arrecadação das receitas federais somou R$ 119,951 bilhões, em agosto de 2019 e é a melhor para o referido mês em cinco anos.

Os números foram divulgados nesta terça-feira (24) pela Secretaria da Receita Federal do Ministério da Economia. O crescimento real (descontada a inflação), comparado ao mesmo mês de 2018, chegou a 5,67%. É o maior resultado para o mês desde agosto de 2014 (R$ 124,372 bilhões).

Considerando o acumulado nos oito meses do ano, a arrecadação chegou R$ 1,015 trilhão, com aumento real de 2,39%. O valor corrigido pela inflação chegou a R$ 1,023 trilhão, o maior volume arrecadado no período também desde 2014, quando chegou a R$ 1,030 trilhão em valores corrigidos pela inflação.

A Receita avalia que o aumento na arrecadação reflete a reorganizações societárias, em que há incidência dos tributos sobre o ganho de capital com a nova organização societária das empresas. Ele acrescentou que esse movimento ocorre em momento de recuperação da atividade econômica. Em julho, essa arrecadação extraordinária ficou em R$ 3,2 bilhões. 

O desemprenho da arrecadação está bem superior ao ritmo de retomada da economia. Os indicadores macroeconômicos mostram que temos um ritmo de atividade econômica mais dinâmico do que em 2018 e isso está refletindo na arrecadação.

Também houve influência do crescimento do ganho de capital na venda de bens e de ganhos líquidos em operações em bolsa, refletindo na arrecadação. A Receita também registrou crescimento da arrecadação do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) em razão do aumento do volume de operações de crédito.