PIB do Ceará continua a crescer acima da média do País

sapato
A indústria vinha estagnada, mas mostrou reação, os serviços cresceram bem e a agropecuária teve um desempenho menor, mas todos os setores avançaram Foto: Freepik

O Ceará vem registrando sempre uma trajetória acima da média do País, o que é necessário diante ainda da nossa pequena participação na riqueza nacional e da baixa renda da maioria da população cearense.

Neste segundo trimestre de 2019, que vinha em uma trajetória de estagnação, reagiu e foi o principal motor do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Ceará, contribuindo com expansão de 4,68% (pelo valor adicionado), em relação a igual período do ano anterior. Com isso, a economia do Estado fechou o 2o trimestre de 2019 com avanço de 2,08% ante igual período de 2018.

Comparado ao trimestre imediatamente anterior, o índice atingiu 0,52%. No acumulado do ano (primeiro semestre) a alta totalizou 1,31%. Os dados da economia cearense são do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), órgão vinculado à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Ceará. O setor Serviços apresentou o segundo melhor resultado, com 1,64%. A Agropecuária  fechou com índice mais modesto: 0,95%, em relação ao segundo trimestre do ano passado.

O setor

Dentre as atividades que compõe o setor Indústria no Ceará, os melhores resultados foram verificados na Transformação, com 7,70% de crescimento no segundo trimestre deste ano,  e na Construção Civil, com 5,64%. No setor Serviços, o Comércio apresentou melhor resultado, com índice de 5,29%, seguido por Transportes, com 2,60%, e Intermediação Financeira, com 2,13%.

O PIB é um indicador que mostra a tendência do desempenho da economia  no curto prazo. Além do Ceará, mais sete estados brasileiros realizam o cálculo de sua economia trimestralmente: Bahia, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Paulo, que utilizam a mesma ponderação das Contas Regionais.

O indicador é calculado com base nos resultados dos três setores, Agropecuária, Indústria e Serviços, e desagregados por suas atividades econômicas. É importante ressaltar que, como indica somente uma tendência de crescimento ou arrefecimento da economia, suas informações e resultados são preliminares e sujeitos a retificações, quando forem calculadas as Contas Regionais definitivas, em conjunto com o IBGE e as 27 Unidades da Federação.