Ceará mostra retração no varejo e Brasil cresce, diz IBGE

shop
No País o desempenho do varejo aponta uma reação, com altas por três meses seguidos. O Ceará não acompanhou o resultado positivo​​

O comércio cearense sentiu uma melhora no fim de semana do feriado de 7 de setembro, mas na passagem de junho para julho de 2019, na série com ajuste sazonal, as vendas no varejo no Estado registraram retração de 1,5% em julho de 2019. É o segundo resultado negativo seguido nesse tipo de comparação, de acordo com pesquisa do IBGE divulgada nesta quarta-feira, 11 de setembro.

Com esse resultado no acumulado do ano registra queda de 1,1%. Na comparação com igual mês do ano passado, o volume de vendas no comércio varejista também aponta diminuição (1,4%) e nos últimos 12 meses a variação é de -0,3%.

Para essa mesma comparação, no comércio varejista ampliado, que inclui os setores de veículos e material de construção, a variação entre junho e julho foi de 0,7%, no Brasil, com predominância de taxas negativas em 15 das 27 Unidades da Federação. Dentre os estados que mostraram avanço nas vendas, entre junho e julho, o destaque foi para Mato Grosso do Sul (4,9%), por outro lado, dentre os estados que mostraram recuo, o destaque foi para o Ceará (-2,7%).

Entretanto, na comparação com o mesmo mês de 2018, o comércio varejista ampliado, apontou 5,0% de crescimento no volume de vendas, sendo destaques as atividades de móveis e eletrodomésticos (33,6%), veículos, motocicletas, partes e peças (24,3%), tecidos, vestuário e calçados (6,3%) e Material de construção (6,2%).

As atividades do comércio que registraram as maiores quedas, nesse tipo de análise, foram: Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios bebidas e fumo (-12,2%) e Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-8,0%).

Ao longo de 2019 as atividades comerciais que apontaram variações crescentes foram: móveis e eletrodomésticos (18,3%), veículos, motocicletas, partes e peças (14,1%), e Material de construção (11,0%).

Brasil

No País, o volume de vendas do comércio varejista cresceu 1% na passagem de junho para julho deste ano, o terceiro resultado positivo do indicador, que acumula alta de 1,6% no período. O volume de vendas também cresceu 0,5% na média móvel trimestral, 4,3% na comparação com julho do ano passado, 1,2% no acumulado do ano e 1,6% no acumulado de 12 meses.

Na passagem de junho para julho, sete das oito atividades pesquisadas tiveram alta nas vendas, com destaque para supermercados, alimentos, bebidas e fumo (1,3%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (2,2%) e móveis e eletrodomésticos (1,6%).

Também apresentaram crescimento tecidos, vestuário e calçados (1,3%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,7%), combustíveis e lubrificantes (0,5%) e livros, jornais, revistas e papelaria (1,8%).

Apenas a atividade de equipamentos e material para escritório, informática e comunicação teve queda em julho (-1,6%).

No varejo ampliado, que também analisa os setores de veículos e materiais de construção, o volume de vendas cresceu 0,7%. O setor de materiais de construção cresceu 1,1%, mas a atividade de veículos, motos e peças recuou 0,9%.