Pessimismo ainda prevalece entre analistas de mercado cearenses

economia
Levantamento da Fecomércio-CE, em parceria com o Conselho Regional de Economia (Corecon-CE), traz o Índice de Expectativas dos Especialistas em Economia (IEE), que tem à frente como analista econômico o professor e economista Ricardo Eleutério Rocha

A percepção é dos dias atuais, números do bimestre novembro e dezembro. Ainda predomina a percepção de pessimismo entre os analistas de mercado no Ceará. Os indicadores foram avaliados por 75 especialistas em economia. 

Seis variáveis foram analisadas com pessimismo, o nível de emprego (95,7 pontos); taxa de juros (75,5 pontos); taxa de câmbio (71,3 pontos); salários reais (52,1 pontos); gastos públicos (50,0pontos) e taxa de inflação (35,1 pontos), esta última atingindo a menor pontuação.

O que está positivo

Somente foi visto com otimismo os indicadores de oferta de crédito (127,7 pontos), cenário internacional (120,2 pontos) e evolução do PIB (112,8 pontos). Destaca-se que os aspectos diretamente relacionados à vida dos cidadãos cearenses e brasileiros continuam em uma faixa de pontuação abaixo dos 100 pontos, configurando o pessimismo. Acima de 100 pontos seria uma condição otimista.

O levantamento é da Fecomércio-CE, em parceria com o Conselho Regional de Economia (Corecon-CE), em sua quadragésima edição trazendo o  Índice de Expectativas dos Especialistas em Economia (IEE), que tem à frente como analista econômico o professor e economista Ricardo Eleutério Rocha. 

A constatação é que os resultados da pesquisa refletem as recentes mudanças na dinâmica econômica nacional e internacional decorrentes da pandemia do novo Coronavírus.

O levantamento ainda apresentou que os índices de: percepção geral (82,3pontos), percepção presente (70,4 pontos) e de percepção futura (94,1
pontos), registraram pessimismo em relação ao cenário econômico. 

Conforme a metodologia, cada uma das variáveis analisadas gera três índices: de percepção presente, futura e de expectativa geral. Considerando a soma das variáveis, o índice de percepção geral passou de 85,2 pontos para 82,3 pontos, um aumento de 3,4% no pessimismo em relação à pesquisa anterior.

Futuro incerto

Sobre o comportamento futuro das variáveis, a pesquisa também revela pessimismo, com o índice atingindo 94,1 pontos. Ademais, cabe destacar que a percepção sobre o desempenho presente apresentou queda no pessimismo, de 2,5%, alcançando 70,4 pontos.

Representatividade

Os  75 especialistas em economia são dos mais diversos setores da economia cearense: indústria, agricultura, setor público, mercado financeiro, comércio e serviços. Economistas, empresários, consultores, executivos de finanças, professores universitários, pesquisadores, analistas e dirigentes de entidades diversas contribuíram com suas percepções.