Ceará abre 16,4 mil empregos e empata geração com a Bahia

trabalho
Os números de outubro foram puxados por ordem pelos setores de serviços (5.974), indústria de transformação (5.265), comércio (3.849) e construção civil (1.140)

A despeito de ainda haver perdas, diante das dificuldades intensificadas no mercado de trabalho frente à pandemia de Covid19, em outubro, Ceará manteve a trajetória de expansão no saldo vagas criadas em uma trajetória iniciada em julho de 2020. No 10º mês do ano foram abertos 16.436 novos postos de trabalho.

O resultado coloca o Estado entre os três maiores saldos do Nordeste para o período, onde também se encontram Bahia (16.437) e Pernambuco (13.016). O resultado é fruto do maior número de admissões (42.760), maior que de demissões (26.324) em outubro. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta quinta-feira (26) pelo Ministério da Economia.

Vagas por setores

Os números de outubro foram puxados principalmente pelos setores de serviços (5.974), indústria de transformação (5.265), comércio (3.849) e construção civil (1.140). “Esses números refletem claramente o momento de retomada gradual da nossa economia. Importante registrar também o saldo positivo acumulado de 1.047 empregos de janeiro a outubro, o que significa que superamos as perdas da pandemia”, ressaltou o secretário executivo do Trabalho e Empreendedorismo da Sedet, Kennedy Vasconcelos.

Recuperação gradual

Para o secretário do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet), Maia Junior, “há muito o que se comemorar por vários aspectos. Primeiro porque recuperamos praticamente todos os empregos perdidos na pandemia que trouxe pra economia grandes dificuldades. Segundo porque o Ceará, juntamente com a Bahia, lidera a geração de empregos no Nordeste do Brasil, e estarmos na linha de frente mostra a nossa fortaleza e capacidade de recuperação da nossa economia. E por fim, o expressivo número, o melhor da série desse movimento desde a pandemia”, detalhou o titular da Sedet.

O presidente do Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (IDT), Gilvan Mendes, acrescenta que “o número de novos empregos que surgiram na economia cearense, no mês de outubro, associado aos resultados de julho a setembro, também positivos, apontam para uma recuperação gradual do mercado de trabalho cearense, após a implantação das medidas para a retomada das atividades econômicas”.