Endividamento dos brasileiros cai pela segunda vez consecutiva

pagando
66,5% dos consumidores estão endividados, um percentual elevado, mas que vem registrando um movimento de queda, mesmo com as incertezas adiante

Em um movimento esperado sempre ao fim do ano, mesmo em época de pandemia, os consumidores estão buscando organizar suas contas e colocá-las em dia.

Caiu pela segunda vez consecutiva o número de brasileiros com dívidas em cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, crédito consignado, empréstimo pessoal e prestação de carro e de casa, de acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) de outubro apresentou retração de 0,7 ponto percentual, com relação a setembro, e apontou que 66,5% dos consumidores estão endividados. No comparativo anual, contudo, o indicador registrou aumento de 1,8 ponto percentual.

Sinalização

Os sinais de melhora do índice, que chegou a alcançar a maior proporção da série histórica em agosto (67,5%), são reflexo da melhor perspectiva econômica, segundo o presidente da CNC, José Roberto Tadros. “No entanto, ainda predominam incertezas sobre a sustentabilidade da retomada no médio prazo, principalmente quanto à capacidade de recuperação do mercado de trabalho e ao cumprimento das metas fiscais”, alerta Tadros.

A mudança nas trajetórias do endividamento com relação à renda se manteve em outubro. Entre as famílias que recebem até 10 salários mínimos, o percentual caiu pela segunda vez seguida, chegando a 68% do total – após ter alcançado o recorde de 69,5%, em agosto.

Entre as famílias com renda acima de 10 salários, esta mesma proporção teve o segundo aumento consecutivo, subindo a 59,4%. “A redução do endividamento das famílias de menor renda nos dois últimos meses é um reflexo da diminuição dos valores dos benefícios emergenciais, o que exige mais rigor na organização dos orçamentos domésticos. Já o aumento das dívidas entre as famílias com mais de 10 salários indica que elas estão, aos poucos, retomando o consumo”, indica Izis Ferreira, economista da CNC responsável pela pesquisa.

Inadimplência 

O total de famílias com dívidas ou contas em atraso também apresentou a segunda redução consecutiva, caindo de 26,5%, em setembro, para 26,1%, em outubro. Em comparação com o mesmo mês do ano passado, a proporção cresceu 1,2 ponto percentual. A parcela das famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso e que, portanto, permaneceriam inadimplentes teve ligeira retração, passando de 12%, no mês passado, para 11,9%, em outubro. No mesmo período de 2019, o indicador havia alcançado 10,1%. “Ambos os indicadores diminuíram para as famílias com menor renda”, destaca Izis.

Com relação aos tipos de dívida, o cartão de crédito continua como a principal modalidade de endividamento para 78,5% das famílias. Na sequência, aparecem os carnês (16,4%) e o financiamento de veículos (10,7%).