Dólar mais caro é cotado a R$ 5,79 e gera mais inflação

dolar
Vários fatores impulsionam o dólar neste ano. O mais recente é o estresse da eleição nos EUA. Afinal, isso afeta a economia do mundo inteiro.  Mas a política econômica no Brasil não vai bem e tem afastado investidores Foto: Freepik

E o dólar dispara contra o real na manhã desta quarta-feira (28), batendo R$ 5,79, na cotação comercial, a maior em cinco 5 meses. Efeitos: real desvalorizado, mais exportações de carne, soja, arroz, etc., alimentos ainda mais caros para o brasileiro, como o pãozinho nosso de cada dia. Combustíveis também. Bom pra quem? Os investidores buscam segurança em meio à forte disseminação da Covid-19 em grandes economias e à aproximação da eleição norte-americana. Tem também reunião de decisão de juros do Copom. A economia nos rege sempre e, é claro, por trás dela, a política.

Eleição nos EUA

O dólar tem subido também devido a crise externa com a pandemia e o estresse da eleição nos EUA. Afinal, isso afeta a economia do mundo inteiro. E uma das consequências dessa crise financeira é a alta da moeda americana em todo o mundo. Mas a política econômica no Brasil não vai bem e só tem afastado investidores.

Mesmo com  poucas viagens internacionais, o turista brasileiro nos Estados Unidos é um dos mais prejudicados com a alta do dólar pois consumir está ficando mais caro. O salário em real continua o mesmo, mas o câmbio para a moeda americana está aumentando o valor em moeda brasileira.

Turismo mais comprometido

Além disso, há o preço das passagens aéreas precificadas em dólar. Isso pode gerar mais viagens para dentro do nosso País, em vez de viagens para o exterior. Embora mesmo o turismo no mercado interno continue se ressentindo e muito.  

A principal consequência, que já vem sendo vista é o aumento de preços, já que muitos insumos são importados e a moeda mais utilizada é o dólar americano. Assim, mesmo o consumidor comum percebera alta de preços.