Transnordestina conta com 6 maquinistas transportando insumos

trem
Puxando 50 vagões, cada um com capacidade de até 80 toneladas de cargas, os maquinistas Francisco Clébio Gomes da Silva, Raimundo Sérgio Enéas da Silva, Francisco Rondineli de Souza Lucio e Emanuel Geyson transportam principalmente coque e minério de ferro

As vidas sob os trilhos que transportam cargas a partir do Porto de Fortaleza até a divisa com o Piauí, na cidade de Oiticica, são movidas pela paixão de viajar, de conduzir os trens e contribuir com o desenvolvimento econômico cearense.

Puxando 50 vagões, cada um com capacidade de até 80 toneladas de cargas, os maquinistas Francisco Clébio Gomes da Silva, Raimundo Sérgio Enéas da Silva, Francisco Rondineli de Souza Lucio e Emanuel Geyson transportam principalmente coque e minério de ferro em um percurso de 502 quilômetros.

São para esses profissionais da Ferrovia Transnordestina Logística S.A., num total de seis exclusivos que trabalham em regime de escala no porto e 43 atuando em diversas atividades
na Capital, que a Companhia Docas do Ceará presta uma homenagem neste 20 de outubro, Dia do Maquinista.

Linha férrea no Porto

Dentro do Porto de Fortaleza há 1,1 quilômetro de linha férrea, por onde circula diariamente dois trens, um chegando e outro partindo, tendo como origem ou destino a capital cearense. No total, são 1,2 mil quilômetros de ferrovia operacional conectando Fortaleza, Teresina e São Luís (Porto do Itaqui). A carga horária do maquinista é de 8 horas/dia e a formação acontece dentro da própria FTL, iniciando como auxiliar de maquinista.

Após dois anos de cursos de capacitação e treinamentos, além do cumprimento de uma carga horária pré-estabelecida e avaliações práticas, o profissional está apto para conduzir o trem. Hoje, há gestores e até diretores que iniciaram carreira na Transnordestina Logística como auxiliares de maquinistas e os que seguem nessa profissão já acumulam entre 3 e 25 anos de trabalhosob os trilhos.

Competitividade

Conforme explica o diretor de Infraestrutura e Gestão Portuária da CDC, Miguel Andrade, o transporte ferroviário possui diversas vantagens, entre elas, a capacidade dos trens de carga, frete mais competitivo e maior segurança em relação ao rodoviário. Tudo isso o torna um dos modais mais importantes do setor. A conexão entre o Porto de Fortaleza e a Ferrovia Transnordestina Logística (FTL) promove a a movimentação de cargas com origem e destino ao porto, se constituindo como um importante diferencial competitivo e promovendo crescimento econômico para a cidade e para o Estado.