Brasil desponta e cria 43 mil empregos em energia solar

sollar
Assumindo a oitava colocação, o Brasil ficou na frente de líderes históricos do setor fotovoltaico, como a Alemanha e o Reino Unido

O Brasil acaba de entrar no seleto grupo dos dez países que mais geraram empregos no mundo em energia solar fotovoltaica no ano de 2019. O ranking foi divulgado agora em outubro de 2020.

Segundo relatório divulgado recentemente pela Agência Internacional de Energia Renovável (Irena). Assumindo a oitava colocação, o País ficou na frente de líderes históricos do setor, como a Alemanha e o Reino Unido.

Geração

Segundo o relatório da Irena, o setor de energia renovável gerou 11,5 milhões empregos no mundo em 2019, com a participação majoritária da indústria solar fotovoltaica em 3,8 milhões de postos de trabalho, um terço do total.

Brasil

Pelo novo levantamento da Irena, mais de 43 mil empregos foram criados pelo setor solar fotovoltaico no Brasil em 2019. Segundo levantamento da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), baseado em premissas mais abrangentes e que incorporam todos os elos da cadeia de valor do setor com operações no País, a contratação total do setor em 2019 atingiu a marca de 60 mil trabalhadores. 

De acordo com o estudo, no quesito igualdade de oportunidades, o setor de renováveis é mais inclusivo e equilibrado em relação ao gênero, com as mulheres representando 32% dos postos, valor significativamente superior ao encontrado no setor de combustíveis fósseis, em que a representatividade feminina é de apenas 21%.

Nação solar
 
Para o CEO da entidade, Rodrigo Sauaia, o Brasil é uma nação solar por natureza, com condições privilegiadas para se tornar uma liderança de destaque mundial no setor.

“A energia solar fotovoltaica terá função cada vez mais estratégica para o atingimento das metas de desenvolvimento socioeconômico e sustentável do Brasil e dos demais países. Irá ajudar fortemente na recuperação da economia após a pandemia, sendo a fonte renovável que mais gera empregos no planeta”, comenta.

Renda
 
Ronaldo Koloszuk, presidente do Conselho de Administração da Absolar, ressalta que o crescimento do uso de energia solar por empresas, governos, consumidores residenciais e produtores rurais traz empregos de qualidade e renda para a população. “Portanto, a adoção de políticas amplas que impulsionem a transição energética é uma medida ainda mais premente neste momento de pandemia e crise econômica, em que muitos empregos foram perdidos”, destaca. “A necessidade de tais estímulos nunca foi tão clara quanto neste momento atual do Brasil e do mundo”, conclui.

Perfil 
 
Fundada em 2013, a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR) congrega empresas e profissionais de toda a cadeia produtiva do setor solar fotovoltaico com atuação no Brasil, tanto nas áreas de geração distribuída quanto de geração centralizada. A ABSOLAR coordena, representa e defende o desenvolvimento do setor e do mercado de energia solar fotovoltaica no Brasil, promovendo e divulgando a utilização desta energia limpa, renovável e sustentável no País e representando o setor fotovoltaico brasileiro internacionalmente.