Projeto de Lei inclui ovo como item essencial da cesta básica

ovo
O Sindicato das Indústrias da Alimentação (Sindialimentos) defende a inclusão pelo retorno à população e redução de impacto tributário nas empresas do setor

O ovo é um dos alimentos que sempre está presente na mesa dos brasileiros por ser acessível, rico em proteína e nutrientes. Considerando a sua popularidade e os inúmeros benefícios que o produto traz à saúde, o Projeto de Lei 4534/20 inclui o ovo como item essencial da cesta básica. O texto segue em análise na Câmara dos Deputados. 

Atualmente, a cesta básica é composta por treze alimentos: carne, leite, feijão, arroz, farinha, batata, tomate, pão, café, banana, açúcar, óleo e manteiga. O PL em aprovação altera ainda o Decreto-Lei 399/38, que estabelece que a parcela do salário mínimo destinada a gastos com alimentação não pode ser menor ao custo da Cesta Básica Nacional. 

Isenção 

Para André Siqueira, presidente do Sindicato das Indústrias da Alimentação e Rações Balanceadas no Estado do Ceará (Sindialimentos), a inclusão do ovo na cesta básica pode  garantir a isenção tributária do alimento. 

“O ovo é um alimento composto por muitos nutrientes, vitaminas, ferro e minerais, com grande valor nutricional. Além disso, é barato e de vasta produção no Brasil. Torná-lo item essencial da cesta básica dos brasileiros, garante a isenção tributária do produto, o que pode barateá-lo ainda mais”, afirma André.  

Benefícios 

O ovo possui grandes quantidades de vitaminas A, D, E e do complexo B, o que o torna um bom antioxidante, evitando o envelhecimento precoce e o desenvolvimento de doenças crônicas, como câncer. 

Além disso, o alimento possui também minerais como ferro, zinco, fósforo, potássio, manganês e selênio, que ajudam no combate à anemia, fornece energia para o corpo, ajuda na contração muscular, auxilia na absorção de cálcio e ainda fortalece o sistema imunológico.  Ele auxilia na redução dos níveis de colesterol ruim (LDL) e eleva os do colesterol bom (HDL).