PIB do Ceará afunda 14,55% no 2º tri e 2020 será negativo

pib
A agropecuária  apresentou expansão e permitiu uma queda menor para a atividade econômica, considerando que os demais setores amargaram reduções Foto: Freepik

Os reflexos da pandemia do novo Coronavírus atingiram em cheio a economia e o Ceará viu afundar o Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre de 2020, com uma retração de 14,55% em relação a igual período de 2019, quando o índice ficou em 1,53%.

Economistas do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece) projetam um PIB negativo para o ano de 2020, mas com uma queda menor que o estimado anteriormente e abaixo da média nacional. Seria de -4,35% (em junho era de -4,92%), enquanto o previsto para o Brasil: é -5,11%.

O resultado do PIB estadual no segundo trimestre deste ano (-14,55%), em relação ao primeiro trimestre imediatamente anterior, ficou em -13,23%, enquanto o nacional (-11,4%), na mesma comparação, em -9,7%. O acumulado no ano (primeiro semestre) mostra que a economia cearense involuiu -7,58%, enquanto a nacional -5,9%. Já nos últimos quatro trimestres, a queda do PIB cearense foi de -2,72% e a nacional de -2,2%. 

Campo negativo

Dos três setores que compõem o PIB -  Agropecuária, Indústria e Serviços – o primeiro apresentou crescimento positivo - embora tenha menor peso na composição do índice – e fechou com desempenho de 18,88% no segundo trimestre de 2020 em relação a igual período do ano anterior, isso pelo isso pelo valor adicionado, que é a contribuição ao produto interno bruto pelas diversas atividades econômicas, obtida pela diferença entre o valor de produção e o consumo intermediário absorvido por essas atividades.   O desempenho do mesmo setor no PIB nacional, no mesmo período, foi de 1,2%.

O setor de Serviços cearense caiu -13,68% (nacional a queda foi de -11,2%), sendo que todos os seus seis setores/atividades apresentaram declínios. O maior deles foi no Comércio, com - 24,01%, seguido pelo Transportes, com -20,87%; Intermediação Financeira, com -14,86%: Alojamento e Alimentação (-12,35%); Administração Pública (-6,11%) e Outros Serviços, com -2,47%. Já a indústria cearense, também no segundo trimestre deste ano em relação a igual período de 2019, involuiu -33,05%, ficando as maiores quedas nos setores Extrativa Mineral, com -85,83%, e Transformação, com -40,96%.

Investimentos devem ajudar

Confiante no crescimento da economia no segundo semestre de 2020, o  analista de Políticas Públicas do Ipece Nicolino Trompieri Neto, que coordenou a equipe que elaborou o PIB, afirma que “a solidez fiscal do Estado, no qual permite que o Governo do Ceará retome os programas de investimentos públicos planejados, bem como um processo de reabertura das atividades econômicas de forma gradual e responsável, iniciado no mês de junho, são elementos que permitirão o reaquecimento da economia cearense por todo o segundo semestre de 2020”.